icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
28/11/2014
17:49

Com 114 anos de fundação, a Ponte Preta enfrenta o Náutico, neste sábado, às 16h20, pela última rodada (38º rodada) da competição nacional, na Arena Pernambuco. Para ser campeã da Série B e levantar o primeiro caneco de sua história, a Macaca terá que vencer o Timbu e deverá torcer ainda por um tropeço do Joinville para o Oeste, que joga no mesmo horário. O time de Campinas tem dois pontos a menos que o JEC, que soma 70 pontos. Já o clube pernambucano está na 11º posição, tendo somado 49 pontos.

Peça importante no acesso deste ano, o volante Fernando Bob é desfalque confirmado para o duelo decisivo, suspenso pelo terceiro cartão amarelo. O atleta lidera o número de passes certos pela equipe, com 1326, segundo os dados do Footsats. Além dele, o lateral-direito Rodinei é dúvida para o jogo. O ala está com o joelho inchado e será reavaliado momento antes da partida. Caso seja vetado pelo departamento médico, Daniel Borges e Jeferson brigam por uma vaga no time titular.

Ainda bastante confiante na conquista do título, o centroavante Alexandro 'Macacão' prometeu que fará o jogo da sua vida. Ele destacou que os companheiros estão empenhados para sair de Recife com a taça na mão. O jogador revelou a torcida pelo Oeste e afirmou que a Ponte deve  fazer a sua parte, mesmo jogando longe de seu domínio.

- Temos que dar mais de 100%, cada um tem que dar o seu máximo. Sabemos da importância do jogo, vamos fazer nossa parte contra o Náutico e o resto vai acontecer. É o jogo da vida, se eu tiver que colocar a cabeça, sangrar e morrer pela Ponte Preta, é isso que eu vou fazer. Sou Oeste desde pequenininho, mas não adianta nada eles ganharem e a gente não - declarou o centroavante, em entrevista ao site oficial do clube.

Em meio à turbulência, o Náutico pega os paulistas apenas com o objetivo de cumprir tabela. Na última quinta-feira, o elenco do Timbu decidiram fazer greve em função dos salários atrasados. Os jogadores relacionados optaram por não se concentrar para o jogo. No entanto, os atletas vão se reencontrar em um hotel cinco horas antes do início da partida. O técnico Dado Cavalcanti apoiou a decisão dos seus comandados.

Em entrevista ao site oficial do clube, o gerente de futebol, Carlos Killa minimizou a greve adotada pelos atletas e admitiu que o clube deve o ordenado para os funcionários, comissão técnica e jogadores.

- Greve não, tanto que eles estão treinando aí. A minha preocupação é com esse compromisso do jogo contra a Ponte Preta que é um jogo que envolve decisão do campeonato. Isso me deixa preocupado, mas a gente espera que tudo seja cumprido do jeito que foi prometido e que essas questões sejam resolvidas - encerrou o dirigente.