icons.title signature.placeholder Fabricio Crepaldi
icons.title signature.placeholder Fabricio Crepaldi
12/07/2013
09:06

Madrugada de 12 de julho de 2012. Nos primeiros minutos desse dia, os jogadores do Palmeiras ainda estavam no gramado do Couto Pereira comemorando a conquista da Copa do Brasil sobre o Coritiba, que começou na noite anterior, e encerrou um jejum de 12 anos sem títulos nacionais.

Exatamente um ano depois, aqueles mesmos que corriam e festejavam com os torcedores na fria capital paranaense hoje estão espalhados pelo Brasil. Alguns esquecidos pelos palmeirenses. E poucos ainda fazem parte do elenco.

E quem teve o destino mais triste foi justamente o grande herói da conquista, que fez o gol do empate em 1 a 1 que deu o título: Betinho.

Após mais alguns meses de contrato com o Palmeiras, ele foi dispensado. Neste ano, acertou com o Boa Esporte. Porém, apenas oito partidas e um gol depois, saiu do clube alegando problemas particulares.

Hoje, ele está treinando sozinho em Recife, procurando outra equipe. Mas sem esquecer do Palmeiras, para onde sonha em voltar um dia.

– Sempre passa na memória quando vejo os jogos do Palmeiras. Foi um título muito importante para mim e para o clube. Vai ficar sempre na memória. Sonho em um dia voltar e continuar essa história linda, porque foi um momento muito lindo que eu vivi – disse ele, ao LANCE!Net.

Além das mudanças no time, Gilson Kleina assumiu a equipe no lugar de Felipão e Paulo Nobre é o presidente na vaga de Arnaldo Tirone.

Na campanha, o Verdão passou por Coruripe, Horizonte, Paraná, Atlético-PR, Grêmio e Coritiba.


Confira uma entrevista exclusiva com Betinho:

LANCE!Net: Lembrava que hoje (ontem), dia 11 de julho, faz um ano do título?

BETINHO: Lembrava, sim. Até conversei com algumas pessoas daquele time, como Leandro Amaro, João Vitor... Tenho contato com a maioria, Wesley também, sempre falamos.

L!Net: Você continua lembrando bastante daquela conquista?

B: Claro, foi muito importante para mim e para o Palmeiras. Tenho os quadros aqui em casa, tivemos momentos difíceis, mas foi só alegria. Aquele título foi inesquecível.

L!Net: Ainda tem contato com a torcida? O que eles falam para você?

B: Tenho, principalmente aqui no Nordeste, os torcedores me param, me agradecem por ter dado o título, mas foi vitória do grupo inteiro.

L!Net: Tem saudades do Palmeiras?

B: Sinto saudade, é um clube grande, de torcida enorme, foram momentos muito bem vividos, sempre sinto falta. A saudade fica na lembrança, quem sabe um dia eu volte para continuar essa história.

L!Net: Como é para você em um ano passar de herói do título do Palmeiras a estar sem clube atualmente?

B: Eu fico triste de estar assim, no Boa não deu certo, tive alguns problemas particulares, agora vou estudar as opções que tenho.

L!Net: Como será quando reencontrar o Palmeiras? Vai comemorar gol?

B: Vai ser uma alegria muito grande, reencontrar velhos amigos que continuam lá da época que eu jogava, mas tenho de respeitar e lutar pelo pão de cada dia e procurar vencer. Se fizer gol, não tem nada de comemoração contra o Palmeiras.

Madrugada de 12 de julho de 2012. Nos primeiros minutos desse dia, os jogadores do Palmeiras ainda estavam no gramado do Couto Pereira comemorando a conquista da Copa do Brasil sobre o Coritiba, que começou na noite anterior, e encerrou um jejum de 12 anos sem títulos nacionais.

Exatamente um ano depois, aqueles mesmos que corriam e festejavam com os torcedores na fria capital paranaense hoje estão espalhados pelo Brasil. Alguns esquecidos pelos palmeirenses. E poucos ainda fazem parte do elenco.

E quem teve o destino mais triste foi justamente o grande herói da conquista, que fez o gol do empate em 1 a 1 que deu o título: Betinho.

Após mais alguns meses de contrato com o Palmeiras, ele foi dispensado. Neste ano, acertou com o Boa Esporte. Porém, apenas oito partidas e um gol depois, saiu do clube alegando problemas particulares.

Hoje, ele está treinando sozinho em Recife, procurando outra equipe. Mas sem esquecer do Palmeiras, para onde sonha em voltar um dia.

– Sempre passa na memória quando vejo os jogos do Palmeiras. Foi um título muito importante para mim e para o clube. Vai ficar sempre na memória. Sonho em um dia voltar e continuar essa história linda, porque foi um momento muito lindo que eu vivi – disse ele, ao LANCE!Net.

Além das mudanças no time, Gilson Kleina assumiu a equipe no lugar de Felipão e Paulo Nobre é o presidente na vaga de Arnaldo Tirone.

Na campanha, o Verdão passou por Coruripe, Horizonte, Paraná, Atlético-PR, Grêmio e Coritiba.


Confira uma entrevista exclusiva com Betinho:

LANCE!Net: Lembrava que hoje (ontem), dia 11 de julho, faz um ano do título?

BETINHO: Lembrava, sim. Até conversei com algumas pessoas daquele time, como Leandro Amaro, João Vitor... Tenho contato com a maioria, Wesley também, sempre falamos.

L!Net: Você continua lembrando bastante daquela conquista?

B: Claro, foi muito importante para mim e para o Palmeiras. Tenho os quadros aqui em casa, tivemos momentos difíceis, mas foi só alegria. Aquele título foi inesquecível.

L!Net: Ainda tem contato com a torcida? O que eles falam para você?

B: Tenho, principalmente aqui no Nordeste, os torcedores me param, me agradecem por ter dado o título, mas foi vitória do grupo inteiro.

L!Net: Tem saudades do Palmeiras?

B: Sinto saudade, é um clube grande, de torcida enorme, foram momentos muito bem vividos, sempre sinto falta. A saudade fica na lembrança, quem sabe um dia eu volte para continuar essa história.

L!Net: Como é para você em um ano passar de herói do título do Palmeiras a estar sem clube atualmente?

B: Eu fico triste de estar assim, no Boa não deu certo, tive alguns problemas particulares, agora vou estudar as opções que tenho.

L!Net: Como será quando reencontrar o Palmeiras? Vai comemorar gol?

B: Vai ser uma alegria muito grande, reencontrar velhos amigos que continuam lá da época que eu jogava, mas tenho de respeitar e lutar pelo pão de cada dia e procurar vencer. Se fizer gol, não tem nada de comemoração contra o Palmeiras.