icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/04/2014
13:56

A arrastada negociação com o Palmeiras tem feito o atacante Alan Kardec acordar com dor de cabeça. Quem garante é o pai do jogador, que também se chama Alan Kardec e atua como procurador.

- Estou bastante preocupado. Comecei a perceber um certo prejuízo físico e mental ao meu filho. Quando digo físico, é porque ele tem acordado vários dias com dor de cabeça pela manhã. E mental por causa dessa pressão de não saber o que vai ser da vida dele nos próximos anos. Amanhã começa um campeonato longo, e no meu modo de ver julgo que seja necessário o atleta estar 100% focado nas competições, não permitindo que outros assuntos atrapalhem - disse Kardec, o pai, à rádio Transamérica.

Ele veio a São Paulo no início da semana para conversar com a diretoria do Palmeiras, que tem até 31 de maio para exercer a prioridade de compra junto ao Benfica (POR), embora o empréstimo do goleador termine apenas em 30 de junho. Pessoas envolvidas nas tratativas dizem que o jogador já fez várias concessões ao clube, incluindo três reduções no valor de salários fixos, enquanto o clube tem feito várias exigências e irritado os representantes dele.

- Infelizmente, eu não posso afirmar categoricamente que ele vá ficar. Eu gostaria muito de estar dando essa notícia, só que os entraves que surgiram não foram removidos ainda. Continua havendo algumas diferenças. Pequenas, muito pequenas, que no meu modo de ver deveriam ser insuficientes para travar essa negociação. A dúvida que existe ainda é acerto de salário. Diversas vezes reduzimos números em prol de facilitar essa negociação.

A maior preocupação do pai de Alan Kardec é em relação a possíveis lesões. Tanto durante as negociações quanto depois do acerto, já que o jogador topa ganhar por produtividade no novo contrato, que será de cinco temporadas. O valor fixo é que está em discussão, além de algumas outras cláusulas.

- Um jogo de futebol pode causar uma lesão, e uma lesão antes que ele esteja acertado com o Palmeiras ou outro clube pode ser um problema muito sério. Será que o Palmeiras continuaria querendo adquiri-lo se ele estivesse lesionado? Queremos que a parte fixa do salário permita que ele mantenha seus negócios, suas aquisições, mesmo que haja algum infortúnio físico.