icons.title signature.placeholder Ivo Felipe
19/12/2013
07:50

A vitória da Seleção Brasileira feminina de handebol sobre a Hungria garantiu bem mais ao time verde e amarelo do que simplesmente a vaga na semifinal do Mundial. O triunfo assegura o time dirigido por Morten Soubak entre os grandes da modalidade e também do esporte coletivo brasileiro.

A passagem a esta fase do torneio quebra uma supremacia europeia em vigência no handebol mundial. Desde 2003, quando a Coreia do Sul chegou à semifinal, nenhum outro time não-europeu havia conseguido ir tão longe na competição. O Brasil chegou muito perto, em 2011, mas caiu nas quartas de final contra as espanholas.

Vale lembrar que o Brasil também é o único time invicto do torneio. A Seleção bateu dois dos outros três semifinalistas na fase de grupos (Dinamarca e Sérvia), enquanto as polonesas sofreram dois reveses (Espanha e Noruega) ainda no período de classificação.

– Parabéns para as jogadoras. É um resultado histórico para o handebol brasileiro. Elas estão dando um passo enorme para o handebol nacional e estão colocando a bandeira do Brasil no handebol internacional – disse o dinamarquês Morten Soubak, técnico do Brasil.

A vitória também garantiu uma projeção inédita para o handebol entre as modalidades coletivas do Brasil. O esporte se põe agora ao lado do vôlei e do basquete (além do futebol), como únicos a terem alcançado um estágio tão avançado em seu respectivo Mundial.

A Seleção feminina de basquete tem como melhor resultado o título obtido por Hortência & Cia. no Mundial de 1994, na Austrália.

As mulheres do vôlei também obtiveram glória semelhante. Elas foram três vezes vice-campeãs do mundo da modalidade, em 1994, 2006 e 2010. O time ainda conta com um bicampeonato olímpico.

Nesta sexta-feira, o time dirigido por Soubak tenta dar um passo a mais e conseguir a classificação para a decisão do Mundial da Sérvia. O lugar na história, contudo, já foi obtido.