icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira, Igor Siqueira e Thiago Correia
09/07/2014
11:52

A manhã na Granja Comary era de ressaca e começou com um reforço na segurança, com carros e motociclistas da Polícia Militar circulando nos condomínios e ruas próximas ao CT da Seleção Brasileira. Na área de imprensa, poucos jornalistas, já que muitos deles passaram a madrugada fazendo o material da chegada da delegação (que ocorreu após das 2h desta madrugada).

A especulação era sobre qual o membro da delegação que iria à coletiva programada para 14h30 desta quarta-feira.

- Por obrigação deveria ser uma cabeça coroada do comando da CBF ou o treinador - diziam os profissionais, quase um consenso.

Uma TV italiana, entrou ao vivo lembrando que 200 milhões de brasileiros acordaram com uma sensação de vergonha e mostrou as manchetes dos principais jornais do país.

Em campo, a única movimentação, além dos canários da terra que voavam sob um céu nublado, foi a dos jardineiros, que cortavam a grama do campo número 1. Do lado de fora, o primeiro torcedor só apareceu na entrada da Granja às 11h30. Tirou uma foto e foi embora. Pelo condomínio, ninguém. Fúnebre. A grade tão frequentada por torcedores ficou vazia

Na parte mais central de Teresópolis, clima total de fim de festa. Em um shopping da cidade, o Fuleco inflável foi esvaziado e vai virar sucata. Em frente a um restaurante próximo à entrada da Granja Comary, um boneco do Hulk, que foi atração durante a passagem da Seleção anteriormente, amanheceu pela metade. Ele sofreu algumas avarias por depredação de torcedores.

Além da coletiva, também está programado um treino regenerativo que ocorrerá na piscina. E talvez os reservas façam alguma coisa no campo 2.


Boneco do Hulk não ficou em boas condições após a eliminação (Foto: Paulo Sergio)