icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
12/02/2015
04:03

Se a situação de Anderson Silva já era um pesadelo para o próprio lutador e o mundo do MMA em si, o caso agora ganha contornos dramáticos e com uma chance nula do atleta se ver livre do turbilhão de problemas que o sufoca. Segundo o site MMA Junkie, Spider testou positivo para substâncias proibidas em um outro teste antidoping relacionado ao UFC 183. A data de tal exame não foi revelada pela Comissão Atlética do Estado de Nevada, mas, de acordo com o Combate.com, o novo flagra se trata do exame realizado logo após a vitória contra Nick Diaz, no dia 31 de janeiro.

O curioso é que o ex-campeão dos médios foi flagrado pela primeira vez em exame surpresa realizado no dia 9 de janeiro - o que é caracterizado como "fora de competição" - e depois passou limpo no segundo teste, feito dia 19, algo que quando divulgado confundiu os fãs, os fazendo pensar que se tratava da contraprova do primeiro teste. Inclusive, segundo a comissão, a contraprova do teste do dia 9 ainda não foi solicitada.  

Como o novo flagra entra na categoria "em competição", já que foi logo após a luta, Spider deve pegar uma suspensão pesada que pode variar de nove meses a até dois anos. O lutador é esperado para comparecer no dia 17 de fevereiro em audiência junto a comissão atlética que vai julgar seu caso e a situação de Nick Diaz, que foi flagrado pelo uso de maconha. 

Aos 39 anos, Anderson Silva foi campeão do UFC por quase sete anos e se tornou o maior nome do MMA no Brasil e no mundo. Em julho de 2013, após apresentação polêmica, ele perdeu o cinturão para Chris Weidman. Na revanche, o brasileiro sofreu a lesão mais séria já vista no esporte, quando fraturou a canela após chutar o americano. Depois de 13 meses de recuperação, ele voltou a pisar no octógono contra Nick Diaz, no dia 31 de janeiro. A vitória por decisão unânime reacendeu a esperança do público brasileiro em relação ao atleta, mas levou um balde de água fria na cabeça com os episódios de doping divulgados.