icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/11/2013
11:35

No fim do jogo entre São Paulo e Botafogo, no Morumbi, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro, Seedorf conversou com os jornalistas e falou sobre a participação dele no Bom Senso FC. O meia holandês destacou a postura dos jogadores em fim de carreira e que estão tomando as iniciativas em busca de um futebol melhor para todos no Brasil. Para ele, isso deve ser valorizado pois as atitudes e mudanças que forem alcançadas agora, ficarão para as futuras gerações.

- Tem que ter abertura mental para melhorar o futebol no Brasil. Não tenho nada a falar e agradeço o que o Brasil me deu. Quero deixar um legado para o futuro. Estou dando meu suporte para os jogadores brasileiros. O Brasil pode trazer muito para a Europa, mas tem coisas que podemos fazer melhor. A coisa bonita é que os jogadores que estão acabando a carreira estão querendo deixar um legado. Desses caras, provavelmente, ninguém vai jogar mais. Isso vai manter mais jogadores aqui. O potencial que o Brasil tem é enorme. Tem pontos que muita gente não sabe que vivemos e não têm nada a ver com dinheiro - disse Seedorf.

OSWALDO DE OLIVEIRA TAMBÉM APOIA

O Bom Senso FC é um movimento criado pelos jogadores dos principais clubes do Brasil para cobrar da CBF mudanças no calendário, nas condições de trabalho dos atletas, além de participação nos órgãos regentes da modalidade e fair play financeiro por parte dos clubes. Algumas reuniões com dirigentes da entidade já foram realizadas, nelas, Seeedorf esteve presente. Um dos líderes da organização, o zagueiro Paulo André, do Corinthians, também foi elogiado pelo camisa 10 alvinegro.

Com a pouca receptividade da CBF em relação às reivindicações, os jogadores têm se manifestado antes dos jogos do Campeonato Brasileiro. Antes das partidas do último fim de semana, válidas pela 36ª rodada, eles se sentaram e até ficaram de joelhos antes de a bola rolar, como forma de protesto com a confederação. Outro a se colocar favorável aos jogadores foi técnico Oswaldo de Oliveira. O técnico usou o exemplo de Seedorf, que caiu de rendimento durante o ano devido, segundo ele, também pelo excesso de jogos.

- Demorou para acontecer e os jogadores estão no caminho certo. Subindo um degrau à medida que se aproxima o fim do campeonato. Quem sente são os jogadores. Seedorf fez 54 jogos e claro que hoje não tem a performance que tinha anteriormente, pelo desgaste que acumula. A reivindicação, pela qualidade do espetáculo, é justa e fidedigna - disse Oswaldo.