icons.title signature.placeholder Leo Burlá
21/06/2014
16:00

Guilherme Bellintani, secretário do Desenvolvimento, Turismo e Cultura de Salvador festeja a efervescência causada pela Copa do Mundo na capital da Bahia.

Mas muito além das receitas oriundas dos R$ 600 de diárias médias cobradas pelos hotéis da cidade, Bellintanti comemora o fato de o evento   abrir as portas de Salvador para o mundo.

- É a primeira vez em nossa História que vivemos uma internacionalização de fato em nossa cidade. Tradicionalmente, só Rio e São Paulo têm esta projeção mundial. O dado importante é que nossas pesquisas internas appontam para uma aprovação de 90% entre os turistas que estiveram aqui - celebrou.

Para o secretário, os ganhos imediatos não são tão importantes se comparados aos que podem ser obtidos a médio e longo prazo.

- Por isso a quantidade não é o que mais importa neste momento. Temos de nos estabelecer neste cenário - frisou o secretário.

De acordo com dados da secretaria, 88% dos turistas que estão em Salvador são estrangeiros, e a taxa de ocupação da rede hoteleira é de 85%.

Após a partida entre França e Suíça, Salvador se prepara para receber o duelo entre Bósnia e Irã, quarta-feira, às 16h.