icons.title signature.placeholder Bruno Rodrigues
31/12/2013
07:03

Com a iminente saída de Aloísio para a China, o São Paulo tenta costurar a permanência de Welliton para não ficar sem opções no ataque. Contudo, para o Spartak Moscou (RUS), dono dos direitos econômicos do atleta, a manutenção do camisa 37 no Morumbi é uma espécie de plano B.

A preferência dos russos é vender o jogador e, portanto, lucrar mais com sua saída. Nos últimos dias, o Spartak recebeu uma proposta de uma equipe da Turquia, mas que não agradou a Welliton.

A diretoria são-paulina estudou propor um acordo para que o Spartak rescindisse o contrato de Welliton e repassasse o vínculo ao clube paulista, que seria estendido por mais duas temporadas. Além disso, ficariam com cerca de 80% dos direitos econômicos para uma futura venda. Venda que teria um valor mínimo fixado para a liberação do atacante.

Os representantes do goiano de 26 anos de idade esperam ter um feedback da Rússia sobre o futuro do jogador até o fim desta semana.

Apesar de ter entrado em campo somente 19 vezes em 2013 e marcado apenas quatro gols com a camisa do São Paulo, Welliton é visto pelos membros da comissão técnica como boa opção para formar o comando ofensivo ao lado de Luis Fabiano - caso o camisa 9 também permaneça no Morumbi.

O atleta recebe aproximadamente R$ 400 mil de salário por mês, divididos entre o São Paulo e Grêmio, equipe que Welliton defendeu no primeiro semestre de 2013.

Revelado no Goiás, o atacante chamou a atenção do Spartak, que em 2007 o contratou. Na Europa, foi artilheiro do Campeonato Russo duas vezes, em 2009 e 2010.