icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
21/12/2013
06:02

O São Paulo mudou sua estratégia inicial e agora tenta o empréstimo e não mais a compra de 50% dos direitos econômicos do atacante Vargas, do Napoli (ITA). A proposta tricolor, inclusive, é parecida com a do Santos, que também já cogitou adquirí-lo no passado. A ideia do Peixe é contratá-lo por um ano e meio ao custo de R$ 2,2 milhões, valor que seria abatido das parcelas que os italianos devem pela compra do goleiro Rafael, no meio do ano.

Os modelos dos negócios serão determinantes na decisão do Napoli por Santos ou São Paulo. Por exemplo: o clube que aceitar um preço fixado de compra maior terá vantagem. Além disso, como pretendem negociar o atleta depois da Copa do Mundo, os italianos exigem uma cláusula contratual que obrigue Peixe ou Tricolor a liberarem o chileno caso ele receba propostas. Desta forma, quem concordar com um menor valor terá preferência no negócio.

Nos bastidores, a diretoria santista está menos otimista do que antes, quando o São Paulo ainda não havia intensificado as conversas com o Napoli, mas os cartolas ainda confiam na chegada do jogador.

A ideia santista era selar a contratação de Vargas nesta semana, com a viagem do superintendente de esportes André Zanotta à Itália. Agora, a expectativa já é de que as conversas se arrastem até janeiro.

O Tricolor também enviou um representante a Napoli. Gustavo de Oliveira, gerente executivo do clube, viajou à Europa acompanhado de Cristian Ogalde, empresário do atacante. Assim como o Santos, o clube do Morumbi aguarda agora uma contraproposta dos italianos.

Vargas, de 24 anos, prefere o Santos, clube com o qual já acertou salários e premiações. Ele recebeu sondagens da Europa, mas entende que o melhor a fazer agora é seguir no Brasil, já que poderia correr o risco de demorar a se adaptar no Velho Continente e prejudicar seu desempenho na seleção chilena, que jogará a Copa do Mundo.