icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/04/2014
19:45

Quem viu apenas a reação de Cesar Cielo ao terminar a final dos 50m borboleta na noite desta sexta-feira no Troféu Maria Lenk não imaginaria que o nadador havia acabado de ganhar o ouro e anotado a melhor marca do ano na distância, com o tempo de 23s01.

Ao tocar na borda da piscina, o bicampeão mundial dos 50m borboleta balançou a cabeça de forma negativa, dando sinal de que não havia gostado da prova. A explicação veio minutos depois.

– Queria nadar para 22 segundos. A minha saída me prejudicou muito, eu errei. Agora é levantar a cabeça para os 100m livre – disse o exigente nadador, que volta à piscina na manhã deste sábado para as eliminatórias da prova e, obtendo a classificação, para a final de tarde.

Até Cielo cravar 23s01, a melhor marca nos 50m borboleta – que não é uma prova olímpica – pertencia ao sul-africano Roland Schoeman, que havia feito 23s07.

A segunda posição na prova foi de Nicholas Santos, com 23s23. Marcelo Chierighini ficou com a medalha de bronze, com 23s95.

Estes três, além de Felipe Martins (24s02) asseguraram índice para o Torneio Pan-Pacífico, que ocorre em agosto, na Austrália.

Após a final dos 50m borboleta, Cielo participou do revezamento 4x100 livre, mas seu clube, o Minas acabou apenas em terceiro.

Como disputa os 100m livre hoje, o nadador resolveu se poupar nos últimos metros, já que não tinha mais condições de alcançar Chierighini, atleta do Pinheiros, clube que levou o ouro.

Quem também brilhou na piscina do complexo do Ibirapuera foi a dinamarquesa Jeanette Ottensen Gray, que representa o Corinthians, anotou o melhor tempo do ano nos 50m borboleta (25s41).

Em sua especialidade, os 200m medley, Thiago Pereira ficou com a medalha de ouro (1m57s98).

O Troféu Maria Lenk termina na tarde deste sábado, e o título deve ficar com o Corinthians. O clube tem 2.311,50 pontos, contra 1.679 do Minas Tênis Clube, que aparece na segunda colocação.