icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/07/2014
10:55

Foi no dia 15 de maio a última vez que o Santos mandou um jogo na Vila Belmiro neste ano e foi pela Copa do Brasil, contra o Princesa do Solimões-AM, com um placar favorável de 4 a 2. No Campeonato Brasileiro a data é ainda mais distante, no dia 3 de maio, em um 0 a 0 com o Grêmio. Nesta quinta-fera, contra o Palmeiras, às 19h30, o Peixe vai matar a saudade de casa, lugar que, para muitos, o time não deveria ter saído nunca.

O "recesso" de casa se deve ao fato do clube ter cedido suas dependências para a Fifa, que permitiu que a seleção da Costa Rica treinasse no estádio, assim como o México, que utilizou o CT Rei Pelé durante a Copa do Mundo.

A última derrota no Urbano Caldeira foi em novembro do ano passado, por 1 a 0 para o então campeão brasileiro Cruzeiro. Desde então, na Vila Belmiro, tanto o técnico Oswaldo de Oliveira quanto outros jogadores que chegaram em 2014 não sabem o que é ver um placar adverso na cidade praiana.

Se os números estão a favor, vale lembrar que recebendo o mesmo Palmeiras no estádio o Peixe venceu o rival por 2 a 1 em um confronto direto que valeu a liderança final da primeira fase do Paulistão.

Apresentado na terça-feira, o volante Souza, que já vestiu a camisa alviverde, reconhece o favoritismo do palco do jogo.

- Já joguei aqui como adversário e não vejo a hora de ver a torcida gritando ao meu favor. A Vila Belmiro é um alçapão e todos os jogadores sentem a pressão quando encaram o Santos aqui - disse o novo camisa 35.

Até a noite de terça-feira, 6.748 ingressos foram vendidos e as bilheterias ainda seguem funcionando.