icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Marcio Porto
icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Marcio Porto
27/07/2013
11:28

A novela da negociação de Robinho não acabou com a troca de farpas entre o Santos e o jogador. Após o fracasso das tratativas, que culminou em um longo desabafo do atacante contra o presidente Luis Alvaro Ribeiro, a diretoria do Peixe ainda tentou reverter o quadro. Não obteve sucesso.

Os dirigentes santistas acionaram empresários brasileiros para tentar convencer o jogador a voltar atrás de sua decisão e ser o reforço de peso que a torcida esperava para esta janela. A princípio, o Santos sugeriu uma investida no Milan (ITA), mas os agentes alertaram que o mais importante era convencer Robinho, o que, naquele momento, parecia missão impossível. O Rei do Drible já estava decidido.

O Santos anunciou a desistência de Robinho no último dia 10, uma quarta-feira. No fim da tarde, o clube emitiu uma nota oficial, na qual dizia que a “operação” para repatriar o atacante não poderia ser viabilizada financeiramente.

No dia seguinte, o presidente Luis Alvaro Ribeiro disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que o o Milan havia baixado a pedida, mas o salário de Robinho não era viável para qualquer clube brasileiro. O atacante se irritou e, em nota oficial, detonou o mandatário.

Dias depois, o Santos deu início ao plano de colocar panos quentes na situação e chegou a tentar contato com Robinho. Não deu certo.

O atacante nega que tenha recebido qualquer ligação do Santos após o fim das negociações. Os dirigentes não atenderam às ligações da reportagem.

Ao mesmo tempo, a diretoria passou a investir em alternativas para o ataque e iniciou contato com alguns jogadores. Negociou com Fernandinho, Maicosuel e Thiago Ribeiro, concomitantemente. O último foi contratado, deve ser apresentado na segunda-feira e logo em seguida viaja com o grupo para Barcelona, onde o Peixe joga sexta contra Neymar, Messi e Cia.

Sem o Santos, Robinho renovou contrato com o Milan até 2016.

A novela da negociação de Robinho não acabou com a troca de farpas entre o Santos e o jogador. Após o fracasso das tratativas, que culminou em um longo desabafo do atacante contra o presidente Luis Alvaro Ribeiro, a diretoria do Peixe ainda tentou reverter o quadro. Não obteve sucesso.

Os dirigentes santistas acionaram empresários brasileiros para tentar convencer o jogador a voltar atrás de sua decisão e ser o reforço de peso que a torcida esperava para esta janela. A princípio, o Santos sugeriu uma investida no Milan (ITA), mas os agentes alertaram que o mais importante era convencer Robinho, o que, naquele momento, parecia missão impossível. O Rei do Drible já estava decidido.

O Santos anunciou a desistência de Robinho no último dia 10, uma quarta-feira. No fim da tarde, o clube emitiu uma nota oficial, na qual dizia que a “operação” para repatriar o atacante não poderia ser viabilizada financeiramente.

No dia seguinte, o presidente Luis Alvaro Ribeiro disse, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que o o Milan havia baixado a pedida, mas o salário de Robinho não era viável para qualquer clube brasileiro. O atacante se irritou e, em nota oficial, detonou o mandatário.

Dias depois, o Santos deu início ao plano de colocar panos quentes na situação e chegou a tentar contato com Robinho. Não deu certo.

O atacante nega que tenha recebido qualquer ligação do Santos após o fim das negociações. Os dirigentes não atenderam às ligações da reportagem.

Ao mesmo tempo, a diretoria passou a investir em alternativas para o ataque e iniciou contato com alguns jogadores. Negociou com Fernandinho, Maicosuel e Thiago Ribeiro, concomitantemente. O último foi contratado, deve ser apresentado na segunda-feira e logo em seguida viaja com o grupo para Barcelona, onde o Peixe joga sexta contra Neymar, Messi e Cia.

Sem o Santos, Robinho renovou contrato com o Milan até 2016.