icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/11/2014
12:04

O Memorial das Conquistas do Santos recebe uma exposição especial em lembrança ao título do Campeonato Paulista de 1965 e também em comemoração de 11 anos do local que abriga boa parte das taças e recordações das glórias da história do clube. O período de alta visitação do museu do Peixe foi aberto nesta segunda-feira e terá um item raro em exibição somente até o dia 30 deste mês: a valiosa e histórica Taça da Bola de Ouro, conquistada justamente pelo time de Pelé e companhia em 65.

A história desse troféu é inusitada. Na época, o Palmeiras era um dos poucos times que faziam frente ao Santos nos campeonatos nacionais e também no tradicional Campeonato Paulista. Houve um período em que os clubes praticamente revezavam os títulos estaduais, e em 1964 o Santos havia sido campeão. Confiando em título do Alviverde de 65, dois irmãos palmeirenses, proprietários da "Confecção D'orio" prometeram encomendar a ourives de São Paulo uma taça artística, de ouro maciço.

Naquele ano, no entanto, o Santos acabou campeão paulista com duas rodadas de antecedência, perdendo apenas dois jogos em todo o torneio de pontos corridos - curiosamente, os dois diante do Palmeiras. Com uma campanha de 25 vitórias, três empates e duas derrotas em 30 jogos, e Pelé artilheiro com 49 gols, o Santos foi campeão estadual de 1965 e levou para a Vila Belmiro a Taça da Bola de Ouro.

O troféu, segundo historiadores do clube, valia mais dinheiro do que o Santos arrecadava em todos os seus jogos decisivos. Por isso, a decisão da diretoria foi trancar o objeto de ouro no cofre do estádio por medida de segurança. A taça saiu de lá apenas para exposições pontuais, inclusive na festa de centenário do clube. E agora, quando fica protegida, mas à vista, até dia 30 de novembro.

Os outros itens da exposição do Memorial das Conquistas seguirão após a "passagem" da Taça da Bola de Ouro. As camisas dos jogadores que participaram das conquistas ficam até dia 19 de dezembro e o restante do material, como jornais, revistas e outros objetos, até o fim da alta temporada de visitação, em fevereiro. O local está aberto diariamente, entre 9h e 18h, com horários reservados para visitas monitoradas.