icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
13/03/2014
19:26

Horas após a imprensa espanhola divulgar que o juiz Pablo Ruz, responsável pela investigação do caso Neymar, pediu ao Santos documentos referentes à operação, o clube brasileiro divulgou nota oficial avisando que as certidões que detalham o negócio já foram remetidas tanto à Justiça nacional quanto à europeia no dia 7 de fevereiro, dois dias após o Ministério Público entrar na apuração de possíveis irregularidades na venda.

Segundo o clube, o presidente santista Odílio Rodrigues recebeu, no dia 5 de fevereiro, um ofício do Ministério Público Federal solicitando alguns documentos - o requerimento datava de 31 de janeiro, três dias após o pai de Neymar conceder entrevista coletiva admitindo um pré-acordo com o Barcelona já em 2011, quando recebeu 10 milhões de euros (aproximadamente R$ 33 milhões) como "empréstimo e garantia" para a negociação.

"Dois dias após receber esse documento, o Santos FC respondeu: "Em resposta e cumprimento à solicitação do ofício 297/2014/AJ/SCI/PGR, remetemos os documentos relativos à contratação e à transferência ao Futbol Club Barcelona do jogador Neymar da Silva Júnior"", afirmou o departamento jurídico do Santos, que enviou o contrato de transferência dos direitos e a carta-compromisso de 2011, em nota oficial.

O Santos ainda afirma que está à disposição da Justiça espanhola se houver a necessidade de mais algum documento que ajude a elucidar o caso. Recentemente, Neymar publicou desabafo contra Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro, presidente licenciado do Santos, que chamou seu pai e empresário de "sem caráter". Sandro Rossel, presidente do Barcelona, se afastou do cargo devido à repercussão do caso.