icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
20/11/2013
06:36

O Santos se reuniu com o empresário Paulo Afonso nesta terça-feira, na Vila Belmiro, e achou uma boa solução para abater os oito milhões de euros (R$ 24 milhões de reais) pedidos pelo Napoli (ITA) por 50% dos direitos econômicos do atacante chileno Vargas: usar o dinheiro que ainda falta receber do clube italiano pela compra de Rafael, negociado em julho deste ano.

O Peixe ainda tem de receber duas parcelas da transferência, que teve um valor total de 5,2 milhões de euros. O clube paulista tinha 70% dos direitos econômicos do goleiro, enquanto o restante era da Teisa (Terceira Estrela Investimentos, que é parceira do clube).

O ex-santista é agenciado por Paulo Afonso, que tem bom trânsito no Napoli e foi acionado pela direção, mesmo sem trabalhar diretamente com Vargas, que está emprestado ao Grêmio até dezembro.

A ideia inicial do Santos era negociar o empréstimo do chileno, mas os italianos desejam recuperar ao menos parte do investimento feito no fim de 2011, quando pagaram 13,5 milhões de euros. Com isso, apesar de relutar no início, o Peixe já aceita comprá-lo, já que acredita que poderá revendê-lo.

Nesta negociação, o Santos não contará com a ajuda da Teisa, que não tem interesse em investir no atacante. Publicamente, os dirigentes admitem o interesse no jogador de 23 anos, mas evitam falar em detalhes para não prejudicar as negociações. O receio ficou ainda maior após o vazamento das conversas com Marlone, do Vasco.