icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
19/04/2014
07:03

Os pouco mais de R$ 20 milhões ganhos no início da temporada com a venda de Montillo para o futebol chinês não foram suficientes para sanar as despesas do Santos, que não tem um patrocinador master desde janeiro de 2013. Recentemente, o próprio clube admitiu um pequeno atraso no pagamento dos direitos de imagem de alguns jogadores e aprovou, via Conselho Deliberativo, a antecipação das cotas de TV de 2015 já para este ano. Mesmo com soluções emergenciais e patrocínios pontuais em jogos importantes, a solução para a crise financeira do clube pode ser mais drástica.

Em entrevista ao LANCE!Net, Odílio Rodrigues, presidente em exercício do Peixe, revelou que o Comitê de Gestão já admite a possibilidade de vender um jogador na janela de transferências do meio do ano e recuperar os vazios cofres do clube, que recorreu a grupos de investimento e empréstimos de graça para contratar os quatro reforços para 2014 – Leandro Damião, por R$ 42 milhões, Lucas Lima, por R$ 5 milhões, com apoio do fundo Doyen Sports, e Rildo e Bruno Uvini, que vieram sem custos, até o fim do ano, da Ponte Preta e do Napoli, da Itália.

– Se aparecer proposta boa, o Santos entende que tem de vender. Se o custo benefício mostrar, venderemos. Em outras palavras: não tem jogador que seja inegociável. Se tiver uma oferta boa a gente vende o jogador, como compramos jogador também – explicou Odílio Rodrigues, que citou “a lei do mercado” para entender o possível assédio internacional às promessas do Alvinegro.

A intenção do Peixe nunca foi de negociar um jogador jovem, como Gabriel e Geuvânio, destaques de 2014, mas a saída pode se tornar inevitável para reequilibrar as contas. Os 7 milhões de euros (R$ 21 milhões) pedidos por Arouca, talvez o jogador com maior mercado na Europa, não convenceram nenhum clube a apostar na contratação. Outro jogador com bom potencial de venda é Mena, que será o lateral-esquerdo titular da seleção do Chile na Copa do Mundo, mas o jogador precisa se destacar para gerar atração internacional.

– Se você recebe uma proposta por um jogador e ele quer ir embora, você é obrigado a vender. Por que o clube precisa? Sim... – justifica o presidente do Peixe, atrás de soluções.