icons.title signature.placeholder Renato Homem
01/03/2014
11:36

O diretor de negócios internacionais da empresa britânica especializada na venda de ingressos para shows e eventos esportivos em geral, Viagogo, Juansa Molina, confirmou a participação do ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, como sócio cotista da empresa.  A informação foi publicada, nesta sexta-feira (28), pelo site espanhol DiarioGol.com. O ex-presidente do Barcelona tem sido alvo de severas críticas por ter se mantido na sociedade mesmo após ter assumido o comando do clube catalão, de onde saiu, em janeiro passado, após a ruidosa polêmica em torno dos valores pagos pelo clube espanhol para contar com Neymar em sua equipe.

Molina minimizou o episódio, afirmando não ver nenhum problema pelo fato de Rosell ter comandado o clube e, ao mesmo tempo, ser um dos  sócios da Viagogo. Segundo o executivo, a permanência do ex-dirigente na empresa não configurarria nenhum comportamento anti-ético, muito menos inviabilizaria a relação comercial existente entre o clube e a empresa.

- A Viagogo é uma plataforma de operações de distribuição de bilhetes internacionais em mais de 100 países - afirmou o executivo, salientando que Rosell detém 5 % das ações da empresa.

Durante sua campanha à presidência do Barcelona, em 2010, Sandro Rosell admitira sua participação na empresa. Na época, ele divulgou que todo o conselho do clube assinaria um código de ética, a fim de assegurar a "máxima transparência" de sua administração à frente do clube catalão. O ex-dirigente se comprometera ainda, durante a campanha, que combateria a venda de ingressos no câmbio negro.

A realidade porém é outra. A Viagogo, curiosamente, sempre disponibilizou bilhetes para todos os jogos do Barcelona no Camp Nou, geralmente a preços mais caros do que os praticados pelo próprio clube na bilheteria. A empresa chegou a cancelar a validade de alguns tíquetes repassados a parceiros, após tomar conhecimento que esses mesmos ingressos eram vendidos mais caros, sobretudo os dos jogos de maior apelo.

Nos primeiros seis meses da temporada passada, o Barcelona teve 385 ingressos dados destinados a seus parceiros, mas que acabaram  impugnados, depois que o clube tomou conhecimento que os tíquetes eram revendidos a preços mais caros no mercado negro. A Viagogo tem forte tradição na Europa, já tendo trabalhado com o Manchester City, Chelsea, Bayern de Munique, Paris Saint-Germain e Porto.

- O preço do bilhete é decidido pelo mercado - resumiu Juansa Molina, justificando que a revenda dos ingressos pela Viagogo está amparada por lei.

- Nós garantimos a autenticidade das entradas. Ativamos vários mecanismos de segurança. Orientamos nossos vendedores a não cobrarem do torcedor o valor do ingresso, caso haja queixas ou denúncias de irregularidades - esclarece o executivo da Viagogo, exaltando o que ele classifica de contribuição da Viagogo "para a globalização do futebol.

- Os grandes clubes europeus, como o Barcelona, são de natureza global e por isso distribuímos os produtos no mundo todo. Está comprovado  que o usuário casual, normalmente um turista estrangeiro, gasta muito mais do que o torcedor que vai ao estádio regularmente - comparou Molina, que atribui aos horários dos jogos, o fato de a Liga Espanhola ter uma visibilidade inferior à da Premier League.