icons.title signature.placeholder Carlos Alberto Vieira
19/06/2014
17:52

Ausente no jogo contra o Brasil, o meia Sammir, brasileiro naturalizado croata, foi escalado como titular contra Camarões. O treinador Niko  Kovac preferiu por um time bem mais ofensivo, com o baiano sendo o municiador de Olic, Perisic e Mandzukic. Ele não fez gol, mas saiu-se bem, foi elogiado pelo técnico nas entrevistas e deve ter assegurado a vaga de titular para a partida contra o México:

- É o que espero. Para o grupo, o jogo com o México é uma final, pois só vencendo iremos para as oitavas. Se o treinador confirmar a minha escalação, vou com gana. Quero muito seguir trabalhando fortemente para me manter como titular e seguir sendo convocado para as grandes competições durante muito tempo - disse Sammir.

Ele assegura que há motivação para os dois lados, pois o México foi bem contra o Brasil e a Croácia teve boa apresentação contra Camarões:


- As duas seleções melhoraram em relação ao que apresentaram na rodada de estreia. Só posso dizer que será uma partida psicologicamente muito difícil. Mas a Croácia é formada por atletas que atuam em grandes times da Europa e que sabem como administrar a pressão. Acredito no meu time.


Sammir, nasceu em Itabuna, defendeu o Atlético-PR e se tornou conhecido com a camisa do Dinamo Zagreb, tornando-se ídolo do clube mais popular da Croácia. Ainda não fez gol pela seleção e não quer desperdiçar nenhuma oportunidade. Terá sido por isso que ele tenha saído chateado ao ser substitutído por Kovacic aos 27 minutos da etapa final contra Camarões?

- Há 23 jogadores de alto nível e concorrência grande lá na frente. Todos querendo entrar alguns minutos em campo e mostrar serviço. Tudo bem eu ter saído. O treinador colocou um jogador mais fresco, havia um esgotamento. Manaus é muito quente - disse Sammir, que hoje está no futebol espanhol (Getafe).

Ciente de que a Copa do Mundo dá uma exposição ímpar, Sammir revela ter sentido uma emoção e um orgulho muito grandes quando foi aplaudido por quase 40 mil torcedores.


- Ter este reconhecimento do torcedor brasileiro é uma motivação a mais - disse o jogador, que tem dois grandes objetivos: um no futuro, que é  jogar a Euro-2016. O outro nesta Copa: levar a Croácia o mais longe que puder.