icons.title signature.placeholder Rodrigo Vessoni
05/07/2014
18:44

A Argentina está na semifinal da Copa do Mundo após 24 anos. E o treinador Alejandro Sabella não escondeu a satisfação com o feito que, na sua visão, fazia parte de um mínimo a ser conquistado na competição disputada em solo brasileiro.

Para o comandante da Alviceleste, a postura de seus jogadores na vitória sobre a Bélgica é o que mais o deixou contente e confiante para a disputa do título - próxima partida será na Arena Corinthians, na quarta-feira, em São Paulo.

- Sinto uma grande alegria por todo o time, que fez um jogo excelente, pelos jogadores e todos argentinos que depois de 24 anos podem estar entre os quatro melhores. Os jogadores jogadores fizeram um grande jogo tático, estratégico. Estamos felizes, mas queremos mais. Pelo menos atingimos um objetivo mínimo que era ficar entre os quatro - afirmou.

- Vamos pensar no próximo jogo primeiro, que vai ser um jogo muito difícil certamente. Jogamos quatro jogos seguidos ao meio-dia (na realidade, uma da tarde), vamos ver como o time vai se recuperar e como vamos montá-lo - completou.

O treinador evitou comentar sobre seus jogadores de forma individual, mas abriu duas exceções: Lionel Messi, que não brilhou pela primeira vez no Mundial, e Gonzalo Higuaín, que desencantou e marcou seu primeiro gol na competição.

- Acho que ele (Messi) jogou muito bem, porque não é só uma questão de marcar gol, é ter a bola, dar o passe. A bola nele é sempre uma esperança para nós e um temor para o adversário. Ele em campo é sempre um fator determinante. Quando o terreno estava seco, por assim dizer, ele estava lá com a bola e isso é ótimo - afirmou.

- Higuaín necessitava rodagem depois de um fim de temporada traumático com Napoli. Mas eu havia dito no jogo anterior que ele havia sido o jogador que mais tinha corrido. Ele fez um gol muito importante para os goleadores - finalizou o treinador da Argentina.