icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
09/07/2014
14:52

A catastrófica derrota da Seleção Brasileira para a Alemanha por 7 a 1 chegou ao São Paulo como um baque. Jogadores experientes e com Copas do Mundo na bagagem, como Luis Fabiano, usaram as redes sociais para dar força aos atletas derrotados. Já os mais jovens agora passam a tentar projeta o futuro do time canarinho, do qual podem fazer parte daqui para frente.

- Essa renovação vai ser normal por causa das Olimpíadas de 2016. Os jogadores mais jovens vão ter oportunidades e têm que aproveitar. A Copa ainda está longe, mas já temos que trabalhar e evoluir para podermos dar a volta por cima lá na frente na Copa da Rússia (em 2018) - afirmou o zagueiro Rodrigo Caio.

O beque, inclusive, deve ser uma das figuras mais presentes nas convocações do técnico Alexandre Gallo para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro daqui dois anos. Sob o comando do ex-jogador, Rodrigo se firmou como líder da Seleção Brasileira sub-21 e foi eleito o melhor jogador do Torneio de Toulon, conquistado pelos canarinhos em maio.

Se tecnicamente a confiança é grande devido à tradição brasileira em revelar bons valores, o lado psicológico é o maior motivo de preocupação para Rodrigo. Segundo o garoto revelado nas categorias de base do São Paulo, o peso por uma vitória em uma Copa em casa já era enorme e, com o massacre diante dos alemães, deixará as próximas gerações ainda mais pressionadas.

- Hoje não estamos preparados psicologicamente para enfrentar isso. Ainda somos muito jovens e temos que evoluir. Mas sei que em 2016 estaremos preparados. Acredito muito. Não tem nada definido de quem será convocado, então os jogadores precisam mostrar serviço nos clubes e saber que vamos carregar uma responsabilidade muito grande. Tem que evoluir a cada dia para corresponder e ser campeão com a Seleção - disse.