icons.title signature.placeholder Igor Siqueira e Pedro Baboza
11/03/2014
14:44

Depois de uma reeleição relâmpago, que não durou nem dez minutos, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, tomou a palavra no auditório da entidade para criticar, uma por uma, as reivindicações colocadas por Flamengo, Fluminense e Vasco na nota oficial divulgada na noite de segunda-feira, em prol de melhorias para o futebol do Rio.

Rubinho fez questão de falar por cerca de 50 minutos e até leu ponto por ponto do documento do trio de grandes, rebatendo um por um, inclusive usando e abusando da ironia. Um dos pontos discutidos pelos clubes foi a taxa de 10% que a Ferj cobra da renda bruta das partidas. Para se defender, Rubens Lopes até citou as dívidas que o Vasco tem com a Federação.

- Sugerem que a taxa seja igual a São Paulo. Então por que não vão para lá? Esse valor foi aprovado por unanimidade. No Pernambucano é 8%, em Minas, 10%. A federação ganha demais? Nesse campeonato a Federação ganhou R$ 780 mil, mas não foram suficientes para arcar com os custos do Vasco, que nos deve R$ 1,2 milhão – disparou Rubens Lopes.

Por falar no Cruz-Maltino, o presidente ainda acrescentou a postura de surpresa, pois o time da Colina assinou apoio à candidatura do atual mandatário semanas atrás.

- Fiquei bastante surpreso com a posição do Vasco, uma vez que o presidente assinou e referendou a candidatura dessa chapa. Às vésperas do processo eleitoral, temos um problema político, que não tem como intenção a melhoria do futebol do estado do Rio, deve ser outra coisa – disse ele, que também criticou o fato de os clubes não terem levado as discussões aos conselhos arbitrais da entidade:

- Não se pode aceitar atitudes de quem quer tirar marmita de morador de rua. Estamos satisfeitos com o Carioca? Não, é evidente. Mas o foro para discutir isso não é na mídia. É no arbitral.

Rubens Lopes usou a ironia também no assunto gramados. Os clubes pedem que os estádios tenham melhores condições e a resposta foi a seguinte:

- Eles querem estádio com gramado chancelado pela CBF. Fui até a Gávea. Passei em Laranjeiras... No Rio de Janeiro só São Januário tem um gramado em condições.

O presidente da Ferj adotou um discurso para agradar aos eleitores das ligas menores.

- Espero que esses clubes compareçam à Federação, apresentem suas discordâncias, projetos que apresentem maior visibilidade e rentabilidade aos clubes, sem o egoísmo de focar só o próprio umbigo. Aí vamos dar passos consideráveis – sentenciou o presidente reeleito, que fica no cargo até 2018.