icons.title signature.placeholder Igor Siqueira
05/12/2013
17:57

O presidente da Ferj, Rubens Lopes, atacou nesta quinta-feira o CEO do Comitê Organizador Local da Copa-2014, Ricardo Trade, por causa da carta de recomendação enviada à Federação para que o Maracanã não seja usado além de quatro vezes por mês até o Mundial.

Clubes, Complexo Maracanã S.A e Ferj tiveram uma reunião na qual definiram a estratégia para não cumprir o que foi pedido pelo Comitê e irão formular um documento apresentando as razões técnicas para utilizarem o estádio sem qualquer restrição.

- Evidente que vamos nos reportar ao presidente do COL, que é o Marin. Mas o documento que chegou a nós foi de um subalterno, um tal de Bacca, Ricardo Trade. É persona non grata ao futebol do Rio de Janeiro e na Federação está proibido de entrar - disparou Rubinho, que ainda emendou:

- Não podemos fechar o diálogo. Temos que conversar, apresentar argumentos técnicos e por aí vai. Temos que buscar uma solução. Precisamos convergir para o entendimento, com argumentos coerentes e não absurdos, como esse Bacca falou.

Segundo o presidente da Ferj, não há problema em manter os 26 jogos da primeira fase do Carioca, além dos jogos pela Libertadores, previstos para o Maracanã.

- Não tem sentido a recomendação. Foram 50 jogos no Maracanã desde que ele foi aberto até hoje, uma média de 15 jogos por mês. E não tem problema algum. Entre o último jogo do Estadual e o primeiro da Copa, são 63 dias. Dá para fazer um gramado novo - completou o presidente da Ferj.

Pelo discurso, as partes ainda não definiram datas para concluir a formulação do documento e enviá-lo ao COL, que por sua vez, em contato com o L!NET, ressaltou que fez apenas uma recomendação à Ferj, sendo facultativo o cumprimento.