icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
10/07/2013
20:15

Depois de o Santos anunciar nesta quarta-feira a desistência na tentativa de contratar Robinho, o jogador também decidiu se pronunciar por meio de nota oficial. No comunicado, o atacante afirma que fez diversas concessões para fechar com o Peixe e que não negociou com nenhum outro clube, pois desejava "voltar para casa".

O LANCE!Net apurou que o Rei do Drible aceitou ganhar no Peixe 25% a menos do que recebe na Itália, mas ainda assim o valor era alto: cerca de R$ 1 milhão livre de impostos por mês. Ele também exigiu o pagamento de comissão a seu pai, a cessão de um camarote na Vila Belmiro e a contratação de um preparador físico exclusivo, que deveria ser Fabio Galan, seu amigo.

Por sua vez, o Milan aceitou vender o atleta por 7 milhões de euros à vista (cerca de R$ 20 mi), mas o Santos considerou os valores da operação irreais.

Leia abaixo o comunicado de Robinho:

"Gostaria de informar à imprensa e principalmente à torcida santista que hoje oficialmente houve o encerramento das negociações propostas pelo Santos FC para uma tentativa de contrato entre eu e o Santos.

Apesar das concessões feitas pelo AC Milan – meu atual clube empregador – e por mim mesmo, no conjunto financeiro, o Santos FC nos informou não dispor de capacidade financeira, no momento, para os pagamentos necessários ao Milan e para me contratar.

Gostaria que houvesse entendimento de que, a operação em si, realmente não era simples: o AC Milan detém os direitos federativos decorrentes do meu contrato de trabalho, e, com justiça, tem direitos de ressarcimento do valor investido para adquirir tais direitos.

Da mesma forma, por minha parte várias foram as concessões feitas para que eu pudesse dar preferência ao Santos FC (inclusive nem analisei propostas de outros clubes) para minha contratação: abri mão de benefícios e comissões no AC Milan, aceitei uma significativa redução dos meus ganhos atuais, assim como, ainda, autorizei a utilização de minha imagem pelo Santos FC, para abater no valor de meu pagamento (imagem essa que atualmente gera rendimentos exclusivos somente para mim).

Contudo, até mesmo pela diferença de moeda e da realidade econômica, o Santos FC tentou, mas nos informou que não consegue, hoje, viabilizar financeiramente minha contratação: aliás, recentemente o Santos tentou repratriar outros jogadores como Nilmar, Zé Roberto, Deivid etc. e também não conseguiu.

 Me sinto na obrigação de deixar estes pontos claros, porque – de forma irresponsável, inescrupulosa, maldosa e leviana – foram veiculadas na imprensa afirmações de que eu estaria colocando exigências abusivas para minha contratação (luvas, salários além do que recebo, contratações, etc.): essas afirmações plantadas foram feitas unicamente com o propósito de tumultuar as negociações e, ainda, com a nítida intenção de jogador a torcida santista e os comentaristas formadores de opinião contra mim.

A verdade é que, ao contrário, abri mão de muitos benefícios já conquistados junto ao AC Milan.

Não existem culpados, só interesses econômicos que não podem ser satisfeitos para as três partes envolvidas: por mais que estas três partes tenham demonstrado boa vontade de negociar.

Dito isso, informo que continuarei com meu contrato junto ao AC Milan (clube que sempre me tratou com respeito e profissionalismo e, ainda, demonstrou compreensão e apoio em uma negociação para um retorno à “minha casa”), empenhando-me mais ainda para um bom desempenho da equipe nos campeonatos disputados, em total respeito e reconhecimento com que o AC Milan me trata.

Ao Santos FC desejo boa sorte nos campeonatos em andamento e nos futuros, nos quais certamente contarão com minha torcida.

À torcida do Santos FC, deixo meu muito obrigado por mais uma vez lembrarem de mim com carinho e pedirem meu retorno!

À torcida do AC Milan, meu muito obrigado pela acolhida e peço que continuem me enviando vibrações positivas para que eu possa ajudar a equipe da melhor forma possível!"

Colunista explica desistência por Robinho e prevê investida no futuro

Depois de o Santos anunciar nesta quarta-feira a desistência na tentativa de contratar Robinho, o jogador também decidiu se pronunciar por meio de nota oficial. No comunicado, o atacante afirma que fez diversas concessões para fechar com o Peixe e que não negociou com nenhum outro clube, pois desejava "voltar para casa".

O LANCE!Net apurou que o Rei do Drible aceitou ganhar no Peixe 25% a menos do que recebe na Itália, mas ainda assim o valor era alto: cerca de R$ 1 milhão livre de impostos por mês. Ele também exigiu o pagamento de comissão a seu pai, a cessão de um camarote na Vila Belmiro e a contratação de um preparador físico exclusivo, que deveria ser Fabio Galan, seu amigo.

Por sua vez, o Milan aceitou vender o atleta por 7 milhões de euros à vista (cerca de R$ 20 mi), mas o Santos considerou os valores da operação irreais.

Leia abaixo o comunicado de Robinho:

"Gostaria de informar à imprensa e principalmente à torcida santista que hoje oficialmente houve o encerramento das negociações propostas pelo Santos FC para uma tentativa de contrato entre eu e o Santos.

Apesar das concessões feitas pelo AC Milan – meu atual clube empregador – e por mim mesmo, no conjunto financeiro, o Santos FC nos informou não dispor de capacidade financeira, no momento, para os pagamentos necessários ao Milan e para me contratar.

Gostaria que houvesse entendimento de que, a operação em si, realmente não era simples: o AC Milan detém os direitos federativos decorrentes do meu contrato de trabalho, e, com justiça, tem direitos de ressarcimento do valor investido para adquirir tais direitos.

Da mesma forma, por minha parte várias foram as concessões feitas para que eu pudesse dar preferência ao Santos FC (inclusive nem analisei propostas de outros clubes) para minha contratação: abri mão de benefícios e comissões no AC Milan, aceitei uma significativa redução dos meus ganhos atuais, assim como, ainda, autorizei a utilização de minha imagem pelo Santos FC, para abater no valor de meu pagamento (imagem essa que atualmente gera rendimentos exclusivos somente para mim).

Contudo, até mesmo pela diferença de moeda e da realidade econômica, o Santos FC tentou, mas nos informou que não consegue, hoje, viabilizar financeiramente minha contratação: aliás, recentemente o Santos tentou repratriar outros jogadores como Nilmar, Zé Roberto, Deivid etc. e também não conseguiu.

 Me sinto na obrigação de deixar estes pontos claros, porque – de forma irresponsável, inescrupulosa, maldosa e leviana – foram veiculadas na imprensa afirmações de que eu estaria colocando exigências abusivas para minha contratação (luvas, salários além do que recebo, contratações, etc.): essas afirmações plantadas foram feitas unicamente com o propósito de tumultuar as negociações e, ainda, com a nítida intenção de jogador a torcida santista e os comentaristas formadores de opinião contra mim.

A verdade é que, ao contrário, abri mão de muitos benefícios já conquistados junto ao AC Milan.

Não existem culpados, só interesses econômicos que não podem ser satisfeitos para as três partes envolvidas: por mais que estas três partes tenham demonstrado boa vontade de negociar.

Dito isso, informo que continuarei com meu contrato junto ao AC Milan (clube que sempre me tratou com respeito e profissionalismo e, ainda, demonstrou compreensão e apoio em uma negociação para um retorno à “minha casa”), empenhando-me mais ainda para um bom desempenho da equipe nos campeonatos disputados, em total respeito e reconhecimento com que o AC Milan me trata.

Ao Santos FC desejo boa sorte nos campeonatos em andamento e nos futuros, nos quais certamente contarão com minha torcida.

À torcida do Santos FC, deixo meu muito obrigado por mais uma vez lembrarem de mim com carinho e pedirem meu retorno!

À torcida do AC Milan, meu muito obrigado pela acolhida e peço que continuem me enviando vibrações positivas para que eu possa ajudar a equipe da melhor forma possível!"

Colunista explica desistência por Robinho e prevê investida no futuro