icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/11/2013
01:01

Acabou o ano letivo na escolinha do professor Felipão. Os alunos de uniforme amarelo fizeram a prova final nesta terça-feira e alcançaram média alta. O último teste da Seleção Brasileira foi contra o Chile, que derrotado por 2 a 1, no Rogers Centre, em Toronto, no Canadá. O gol da vitória veio de uma figura que sempre se dá bem contra os chilenos. Robinho saiu do banco e marcou o segundo gol da Seleção, ficando bem na fita para estar entre os convocados para a Copa-2014.

O 19º jogo da segunda era Felipão - todos disputados neste ano - também teve Hulk como um dos protagonistas: foi dele o primeiro gol. Eduardo Vargas chegou a empatar para o Chile, mas ele não contava com a astúcia de Robinho. Agora, a Seleção só volta à ativa no dia 5 de março de 2014, em amistoso contra a África do Sul.

O jogo contra Honduras, sábado, foi mais movimentado, ainda que a equipe centro-americana tenha apelado para a violência. Contra o Chile, diante do maior equilíbrio técnico, o duelo foi mais truncado. Os dois times não engrenaram com força no primeiro tempo. Até porque o campo do estádio canadense não ajudou. As placas de grama ficaram se soltando e funcionários precisaram corrigir as falhas durante a partida inteira.

Para abrir o placar, o mérito do Brasil foi a marcação sob pressão feita na saída de bola chilena. Marcos González mostrou o motivo de estar na reserva do Flamengo e errou o passe que originou o gol de Hulk. Livre, o atacante recebeu um presentaço de Oscar e não desperdiçou, marcando pelo segundo jogo seguido.

O Chile, por sua vez, já veio desmantelado para o jogo por causa dos desfalques - Vidal foi um deles. E a situação piorou no decorrer da partida pois Díaz, encarregado de marcar Neymar, se machucou e Jorge Sampaoli ainda tirou Fuenzalida com pouco mais de 20 minutos para a entrada de Valdivia, meia do Palmeiras. Ofensivamente, a equipe sul-americana também não conseguiu ser objetiva. Ainda que tenha ficado com parcela significativa da posse de bola, os perigos que levou a Julio Cesar foram quase nulos no primeiro tempo.

Com uma atuação quase perfeita defensivamente até então, o Brasil melhorou ligeiramente no ataque no começo do segundo tempo, quando Robinho entrou no lugar de Jô, que teve mais uma atuação apagada.

Mas Eduardo Vargas aproveitou um apagão da defesa brasileira e, depois de um tiro de meta, chutou no cantinho do inerte Julio Cesar.

Sorte do Brasil que Robinho ainda tinha sua cota de gols contra o Chile para usar. É incrível como o atacante sempre leva pânico aos chilenos - foi assim, por exemplo, na Copa América-2007. Depois de um cruzamento primoroso e forte de Maicon, Robinho teve a coragem de botar a cabeça na bola e garantir a vitória.

De cabeça, Robinho fez o gol da vitória (Foto: Geoff Robins/AFP)

O Rei das Pedaladas, com seu nono gol sobre La Roja, superou Pelé como o brasileiro que mais fez gol contra os chilenos. Se Robinho for mesmo à Copa, tomara que o Chile apareça novamente no caminho do Brasil.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 2 X 1 CHILE

Local: Rogers Centre, em Toronto (CAN)
Data/Hora: 19/11/2013, às 23h (de Brasília)
Árbitro: Silviu Petrescu (CAN)
Auxiliares: Joe Fletcher (CAN) e Daniel Belleau (CAN)
Cartões amarelos: Paulinho, Robinho (BRA); Medel, Beausejour, Carmona (CHI)
Gols: Hulk, 12'/1ºT (1-0); Vargas, 25'/2ºT (1-1); Robinho, 33'/2ºT (2-1)

BRASIL: Julio Cesar; Maicon, Daviz Luiz, Thiago Silva (Dante, 28'/2ºT) e Maxwell; Luiz Gustavo, Paulinho (Hernanes, 38'/2ºT) e Oscar (Willian, 18'/2ºT); Neymar (Lucas Leiva, 47'/2ºT), Hulk (Ramires, 18'/2ºT) e Jô (Robinho, 6'/2ºT). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

CHILE: Bravo, Medel, González e Jara; Fuenzalida (Valdivia, 22'/1ºT, depois Matías Fernández, 14'/2ºT), Díaz (Beausejour, 7'/1ºT), Carmona e Mena; Gutiérrez (Muñoz, 41'/2ºT), Vargas e Sánchez. Técnico: Jorge Sampaoli.