icons.title signature.placeholder Guilherme Borini
11/12/2013
09:29

A final da Copa Sul-Americana entre Lanús (ARG) e Ponte Preta, nesta quarta-feira, às 22h (de Brasília), com transmissão em tempo real do LANCE!Net, tem grandes chances de ser definida nos pênaltis. Como na decisão o gol fora de casa não é considerado critério de desempate, o placar de 1 a 1 do primeiro jogo, no Brasil, deixa a disputa totalmente em aberto. Qualquer empate leva para a prorrogação e, se persistir o resultado de igualdade, o campeão será decidido nas penalidades máximas.

Se isso acontecer, o torcedor pontepretano estará tranquilo. Pelo menos se depender do goleiro Roberto. O camisa 1 da Macaca defendeu dois pênaltis no Campeonato Brasileiro desse ano, e nada mais nada menos do que de dois grandes batedores: Fred, do Fluminense, e Juninho, do Vasco.

Apesar do bom retrospecto, Roberto mantém os pés no chão e diz não ter nenhuma técnica especial para praticar as defesas.

- Pênalti é momento, depende muito das circunstâncias do jogo. Peguei esses dois, mas também sofri outros dois no Brasileiro. A gente conhece a característica de um ou de outro, mas aí você pega dez pênaltis do adversário e ele bateu cinco em cada canto. Como faz? É no momento mesmo - declarou, em entrevista ao LANCE!Net.

O camisa 1 pontepretano se diz pronto para todas as possibilidades na partida, mas sabe que uma possível decisão de pênaltis pode ser a consagração para marcar de vez o nome na história do clube.

- Estou preparado para qualquer situação, seja tempo normal, prorrogação ou pênaltis. Disputa de pênaltis é o momento do goleiro, é tudo que o goleiro quer. Mas tudo se decide na hora. Disputa assim é diferente do que uma cobrança durante o jogo - completou.

Apesar da experiência - 34 anos de idade -, Roberto nunca disputou uma decisão por pênaltis na carreira. A final da Sul-Americana desta quarta, no estádio "La Fortaleza", em Lanús, poderá ser a primeira chance do goleiro.