icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/12/2013
20:17

O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, finalmente quebrou o silêncio, e durante entrevista na tarde desta quinta-feira, compartilhou a responsabilidade pelo rebaixamento do clube. Desde a partida contra o Atlético-PR, que sacramentou o rebaixamento do Cruz-Maltino, o mandatário fez dois pronunciamentos: um ainda no estádio, e outro na semana passado, através de um vídeo divulgado pelo clube.

- Se o Vasco vai mal, o presidente é que vai mal. Tenho confiança nisso. Estamos trabalhando em grupo para ajudar o clube. A culpa dessa situação é de todos, mas a cai no meu colo. Confio nas pessoas em minha volta e sei que estamos buscando melhorar o Vasco e colocá-lo no lugar dele. Temos um caminho, um rumo e vamos fazer de tudo para cumprir nossos compromissos - afirmou à Rádio Globo.

Dinamite comentou ainda a batalha jurídica que o Cruz-Maltino vive, pedindo a impugnação e os pontos do último jogo do Campeonato, pela briga ocorrida na arquibancada da Arena Joinville. Com os pontos, o Vasco não cairia para a Série B. Nesta quinta-feira, o presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva repassou ao Pleno do órgão o pedido vascaíno para a realização do julgamento, o que ele mesmo havia negado.

- O Vasco ainda trabalha com a possibilidade de jogar a 1ª divisão em 2014. Vamos lutar com todas as forças para isso. O clube não está parado para buscar todos os métodos legais para chegar ao nosso objetivo - disse, mencionando seu posicionamento na barbárie de Joinville, quando chegou a entrar em campo e pediu para o árbitro para que a partida não prosseguisse.

- Quando tomei a iniciativa de ir para o campo e falei com o árbitro já não era uma questão de pontos, de ser primeiro ou segundo no campeonato. Era uma questão de vida ou morte. O maior erro com relação à partida foi não colocar policiamento. Foi o que faltou. Consultei o departamento jurídico do clube e vimos que a melhor postura seria ficar em campo e esperar pela decisão do árbitro, que deveria ter suspendido o jogo. Agora estamos colhendo dados para tentar conseguir nossos direitos - completou.

Sobre a pressão política de pessoas pedindo antecipação das eleições e até mesmo a renúncia de Dinamite ao cargo de presidente do Vasco, ele afirmou que está acostumado, e que ouve críticas para tentar encontrar soluções em seguida.

- Convivi com pressão a vida toda. Buscamos acertar o tempo todo, mas o ser humano cresce quando aprende com os erros. Eu errei 100% dentro do Vasco? Não acho. É preciso ter força para as pessoas que estão ao seu lado saberem que ainda há um caminho a seguir. Ouço críticas para tentar buscar soluções - salientou.

DINAMITE QUER PARTICIPAR DE MONTAGEM DO ELENCO

Ainda segundo o presidente, ele pretende estar mais presente para a montagem do elenco que vai disputar a próxima temporada. E, como a posição de goleiro é prioridade, ele declarou que o uruguaio Martin Silva está próximo do acerto.

- A situação do Martin Silva está bem encaminhada, e outros jogadores dessa posição também estão sendo avaliados. Estamos buscando um goleiro que possa estar ali como uma referência e ajudar a equipe dentro das competições. Estamos trabalhando para ter um goleiro à altura do Vasco. Não participei tão ativamente da escolha dos goleiros esse ano, mas agora quero participar mais das decisões na formação do time do Vasco - lembrou.