icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro e Thiago Fernandes
icons.title signature.placeholder Frederico Ribeiro e Thiago Fernandes
24/07/2013
19:22

Candidato à presidência do Atlético-MG em 2011, quando Alexandre Kalil se reelegeu no cargo, Fred Couto está no Mineirão para acompanhar a decisão da Copa Libertadores, diante do Olimpia (PAR). Na partida mais importante da história do clube, o engenheiro civil negligencia o fato de o adversário político ocupar a sua posição dos sonhos e garante que, se o Galo for campeão, gritará o seu nome, como qualquer outro torcedor.

– Não me considero um rival do Alexandre (Kalil). Ele é um companheiro na condição de atleticano e como conselheiro do clube. Nós temos apenas algumas diferenças ideológicas, mas é claro que, se vencermos, vou gritar ‘Kalil, Kalil’, como já fiz muitas vezes – confessou, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Mineirão já recebe boa quantidade de torcedores para a final da Libertadores
> Presidente do Galo alfineta CBF na polêmica do Horto: ‘Não teve forças’
> Wágner, ex-Cruzeiro, revela torcida na final da Liberta: 'Sou Olimpia desde pequeno'
> Presente na vitória de 1992, torcedor crê em vitória tranquila do Galo
> Com bombas e foguetes, atleticanos mostram animação antes da final

A atual gestão de Alexandre Kalil também foi um dos assuntos comentados por Fred Couto. Segundo ele, a oposição foi fundamental para que o clube tenha atingido o patamar de finalista da principal competição continental.

– A oposição, da qual fiz parte, contribuiu bastante na gestão do Alexandre e também maturou a democracia dentro do Atlético. Tenho apenas algumas diferenças com ele. Estou satisfeito com a sua administração. Sou um fã da Adriana (Branco, diretora executiva do clube) – disse o engenheiro, que ainda arriscou um placar para a partida:

– Eu acho que vai ficar 3 a 0 para o Atlético hoje. Sofremos muito nas fases anteriores. Agora, espero que seja sem sofrimento.

Candidato à presidência do Atlético-MG em 2011, quando Alexandre Kalil se reelegeu no cargo, Fred Couto está no Mineirão para acompanhar a decisão da Copa Libertadores, diante do Olimpia (PAR). Na partida mais importante da história do clube, o engenheiro civil negligencia o fato de o adversário político ocupar a sua posição dos sonhos e garante que, se o Galo for campeão, gritará o seu nome, como qualquer outro torcedor.

– Não me considero um rival do Alexandre (Kalil). Ele é um companheiro na condição de atleticano e como conselheiro do clube. Nós temos apenas algumas diferenças ideológicas, mas é claro que, se vencermos, vou gritar ‘Kalil, Kalil’, como já fiz muitas vezes – confessou, ao LANCE!Net.

E MAIS:
> Mineirão já recebe boa quantidade de torcedores para a final da Libertadores
> Presidente do Galo alfineta CBF na polêmica do Horto: ‘Não teve forças’
> Wágner, ex-Cruzeiro, revela torcida na final da Liberta: 'Sou Olimpia desde pequeno'
> Presente na vitória de 1992, torcedor crê em vitória tranquila do Galo
> Com bombas e foguetes, atleticanos mostram animação antes da final

A atual gestão de Alexandre Kalil também foi um dos assuntos comentados por Fred Couto. Segundo ele, a oposição foi fundamental para que o clube tenha atingido o patamar de finalista da principal competição continental.

– A oposição, da qual fiz parte, contribuiu bastante na gestão do Alexandre e também maturou a democracia dentro do Atlético. Tenho apenas algumas diferenças com ele. Estou satisfeito com a sua administração. Sou um fã da Adriana (Branco, diretora executiva do clube) – disse o engenheiro, que ainda arriscou um placar para a partida:

– Eu acho que vai ficar 3 a 0 para o Atlético hoje. Sofremos muito nas fases anteriores. Agora, espero que seja sem sofrimento.