icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
18/06/2014
11:15

Dos seis pênaltis marcados nesta primeira rodada de Copa do Mundo no Brasil, cinco tiveram as mesmas características: o "agarra agarra" tão comum nas áreas em cobranças de escanteio e faltas. Mas, neste Mundial, os árbitros estão passando das broncas nos atletas e não estão tolerando os puxões.

O número de pênaltis marcados na primeira rodada é grande, principalmente comparando-se com a última Copa, em que foi assinalada apenas uma penalidade nos primeiros 16 jogos. Só que a quantidade de faltas apontadas em situações similares mostraria uma nova postura da arbitragem do Mundial, além do velho - e ruim - hábito dos atletas de levar vantagem de forma irregular.

Para o ex-árbitro José Roberto Wright, as marcações não são coincidência, e a comissão de arbitragem realmente exigiu mais atenção dos profissionais em lances deste tipo. Até a transmissão de TV está envolvida:

- As faltas previstas na regra independem de recomendação ou não. Mas o que está ocorrendo é que a televisão mostra com frequência o "agarra agarra" na área, e a Fifa resolveu punir. Sem dúvida a comissão de arbitragem exigiu mais atenção nestes lances - disse, cravando ainda que, com base neste pensamento, houve erro ao não se marcar pênalti em Marcelo no empate contra o México, na abertura da segunda rodada.

- O jogador do México faz o movimento para puxar o Marcelo. Qualquer agarrão que o jogador sofre durante o movimento, atrapalha o atleta, ele perde o tempo de bola, e a regra não permite lances com mais força, como aconteceu com Marcelo e com o Fred.

Fred é puxado e cai: cinco pênaltis foram marcados assim na Copa (Foto: Adrian Dennis/ AFP)