icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/06/2014
09:31

A vitória na última sexta-feira no Brasil Fight 360°, realizado no Clube Labareda, em Belo Horizonte, consolidou ainda mais Matheus Nicolau, de apenas 21 anos, como uma das grandes promessas do MMA nacional. E o triunfo veio em grande estilo, ao nocautear Pedro Kezen com um direto de esquerda, ainda no primeiro round. Essa foi a nona vitória no cartel do lutador mineiro, sendo a quarta atuando “em casa”.

O peso mosca (até 57kg), que hoje treina na academia Nova União, no Rio de Janeiro, não esconde que a energia é diferente quando ele sobe no octógono em sua terra, onde encontra alegria até mesmo em atividades que costumam ser incômodas, caso do processo de cortar peso.

– Sinto uma energia incrível quando luto em Minas Gerais. Aqui é minha casa, sempre tem muitos amigos na torcida e isso me motiva bastante. É até difícil apontar apenas um fator como preponderante para a boa luta que fiz no Brasil Fight. Mas, sem dúvidas, a força da torcida e o entrosamento com os meus corners, Roberto Corvo e Alex Cardoso, fizeram a diferença. Tive uma semana muito boa, fazendo todo trabalho de perda de peso e todo o resto com muita alegria. Isso com certeza foi um diferencial – disse o atleta

Matheus revelou ainda que a mãe, sua maior incentivadora, não gosta de ver as lutas e que prefere até arrumar a casa na hora em que o filho está no octógono.

– Minha família sempre vai às minhas lutas, com exceção da minha mãe, que não aguenta me ver lutar. Ela me apoia muito, pois sabe o quanto eu amo o que faço e me dedico. A primeira reação dela foi de medo e insegurança, pois sabe que a carreira de lutador no Brasil não é fácil. Mas, aos poucos, ela foi se acostumando e hoje é a minha fã número 1. Quando eu luto, ela tenta se ocupar com qualquer outra coisa, prefere até limpar a casa (risos). Mas sei que agora ela até dá uma espiada na TV – concluiu.

Nova União
Sempre na briga pelo "título" de melhor academia de MMA do mundo, a Nova União possui em seus tatames atletas do gabarito de José Aldo, Júnior Cigano, Renan Barão, Hernani Perpétuo, Dudu Dantas, Emerson Falcão e Antônio “Cara de Sapato”, entre outros. No meio de tantas feras, Matheus Nicolau, que está há dois anos no centro de treinamentos de Dedé Pederneiras, aprende lições que vão muito além dos golpes de MMA.

– O ambiente da Nova União é de uma família mesmo, como se fosse a nossa casa. Sempre um está ajudando o outro e aprendendo alguma coisa. Além de poder desenvolver muito a parte técnica, por estar treinando com algumas das maiores feras do MMA, o que eu tiro de maior lição é a humildade e perseverança que todos demonstram e que é nítido na essência da equipe. Treinar com esses caras é uma motivação a mais e uma inspiração pra mim – revelou.

Patrocínio
No entanto, mesmo com todo o potencial para ser um dos grandes nomes brasileiros no mundo das lutas, Matheus Nicolau sofre as mesmas dificuldades de quase todos esportistas brasileiros: a falta de patrocinadores. Esporadicamente, o mineiro possui suporte de algumas empresas antes de suas lutas, mas mensalmente não conta com nenhum apoio financeiro das mesmas. A batalha, então, começa bem antes de soar o gongo, com as buscas por apoio financeiro.

– Patrocínio fixo, eu não tenho nenhum. Tenho alguns apoiadores e, para as lutas, às vezes conseguimos fechar algo. Mas, por enquanto, não temos nenhum que entre investindo um dinheiro mensalmente. É muito difícil conseguir patrocínio no Brasil, acho que não somente na luta, mas nos esportes em geral. O que ganho hoje é tudo reinvestido no esporte. Como eu estou sempre atrás de evolução, não poupo o que ganho e reinvisto tudo na luta. Seja em viagens, treinamentos, suplementação, alimentação, material de treino... – declarou.