icons.title signature.placeholder Bruno Andrade
27/11/2013
14:51


“Por volta de 12h30, depois uma entrevista com o ex-presidente Andrés Sanchez, responsável pelas obras na Arena Corinthians, eu e o repórter Rodrigo Vessoni estávamos na portaria principal do estádio, esperando o motorista do L!Net, a cerca de 200 metros do acidente.

De repente, bem na nossa frente, o guindaste começou a tombar. Em poucos segundos ele atingiu o painel de LED do estádio. O barulho foi enorme. Uma verdadeira tragédia.

Logo em seguida, já soou o sinal de alerta na obra e iniciou um corre-corre enorme. Alguns funcionários indo em direção ao local do acidente e outros evacuando a obra por medo do que, até ali, ainda era incerto. Em pouco mais de dez minutos, começaram a chegar homens do corpo de bombeiros, carros da SAMU e viaturas da Polícia Militar. Assim como helicópteros da PM e de emissoras de televisão.

A reportagem flagrou o ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, chorando muito, visivelmente abatido. Depois que as viaturas entraram, o SAMU confirmou ao LANCE! os primeiros dois mortos.

Todos os operários saíram do local e as obras foram encerradas. À reportagem, todos eles disseram que o guindaste tombou porque o solo cedeu, já que choveu nos últimos dias. Minutos depois, o Corpo de Bombeiros confirmou o terceiro morto...”