icons.title signature.placeholder Bruno Grossi
06/06/2014
11:00

A renovação com o zagueiro Lucão até junho de 2019 fez com que o São Paulo superasse processos traumáticos para estender o vínculo de garotos criados em Cotia. Entre 2009 e 2011, a diretoria tricolor sofreu para manter - e negociar depois - o lateral-esquerdo Diogo e o atacante Lucas Piazon. Já o meia Oscar acabou rompendo com o clube, chegou ao Internacional e, do Beira-Rio, passou a ser o camisa 11 do Chelsea (ING) e da Seleção Brasileira.

- Tivemos várias reuniões, não foi de imediato. Como estava complicado, pedimos um tempo para pensar. Não dava para ir de uma hora para outra. Na segunda-feira sentamos e decidi renovar. Sempre deixei claro que minha vontade era permanecer. Meu sonho era ficar aqui e dar muitas alegrias à torcida - disse Lucão ao LANCE!Net.

Oscar, Diogo e Lucas Piazon eram agenciados por Giuliano Bertolucci, empresário que passou a ser persona non grata no clube durante a gestão de Juvenal Juvêncio. Desta vez, no entanto, a presença do agente não atrapalhou os tricolores. Mesmo com acusações graves do tio de Lucão e o envolvimento de Bertolucci, o zagueiro de 18 anos renovou com o time do Morumbi.

- Enfim conseguimos resolver essa situação do Lucão. Era algo que me preocupava, porque ele andava com umas coisas de ir para a Europa, mas resolveu ficar com a gente depois que conversamos. É um garoto que apostamos muito - declarou o vice-presidente de futebol Ataíde Gil Guerreiro.

Lucão, porém, negou que tenha pensado em deixar o São Paulo rumo ao futebol europeu e garantiu que não se incomoda com a busca da diretoria por completar o elenco com mais um zagueiro.

- Eu procuro não me preocupar muito com isso. Só prpcuro fazer minha parte, treinar forte, firme... Creio que as oportunidades que tive, a sequência dada pelo professor Muricy (Ramalho) pude aproveitar bem. Estou sempre à disposição e fazendo meu trabalho de cabeça erguida - prometeu o defensor.