icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
02/07/2014
19:27

O meia Renato Cajá está novamente nos planos da Ponte Preta. Ídolo recente da torcida pontepretana após duas passagens vitoriosas pelo clube, o jogador está realizando treinamentos no CT da Macaca enquanto decide seu futuro, que pode até ser em Campinas.

Em nota divulgada no site oficial, a diretoria da Ponte não entrou em detalhes a respeito da presença do atleta nos treinos e limitou-se a informar que o jogador está na cidade após o nascimento do filho e pediu para manter a forma física nas instalações pontepretanas. Cajá tem residência fixa em Campinas desde 2008.

No entanto, o próprio jogador revelou a tentativa da Ponte Preta de acertar seu retorno e mostrou-se disposto a defender o clube novamente.

- A Ponte fez uma proposta. Vamos esperar a resposta para a gente conversar. A Ponte está no meu coração, sempre estou acompanhando e torcendo e espero voltar um dia. Se não for agora, mais para frente. A diretoria está se esforçando para poder ter uma negociação boa - declarou, em entrevista à TV Bandeirantes de Campinas.

Nesta temporada, o meia defendeu o Bursaspor, da Turquia, no primeiro semestre e no momento está sem clube. Seus direitos econômicos pertencem ao Guangzhou Evergrande, da China, que pretende emprestá-lo novamente. Em 2013, Cajá disputou o Brasileirão pelo Vitória.

- Em questão de dois ou três dias teremos uma resposta. O Márcio (Della Volpe, presidente da Ponte Preta) está fazendo um excelente trabalho e esperamos que tenha uma resposta positiva. Vamos esperar um pouco para decidir nosso futuro - concluiu o jogador.

A negociação não é fácil para a Ponte Preta. O salário de Renato Cajá é acima do teto do clube, que não pretende fazer loucuras financeiras. A diretoria da Macaca está disposta a pagar parte dos vencimentos (cerca de 30%), que seria a única possibilidade do jogador retornar ao Moisés Lucarelli.

Pela Ponte Preta, Cajá foi vice-campeão paulista em 2008 e deixou o clube no início de 2009, negociado com o Al Ittihad, da Arábia Saudita. O meia defendeu também Grêmio e Botafogo, antes de acertar com o clube chinês que atualmente detém seus direitos. Em 2011, voltou à Ponte após um imbróglio judicial e foi o maestro da equipe no acesso à Série A. Em 2012, chegou às semifinais do Paulisão com a Macaca, antes do término do seu contrato após o Estadual.