icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
21/07/2013
19:03

Os corintianos culparam a péssima situação do campo da Vila Capanema para justificar o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR, que ocupa a zona do rebaixamento, em jogo disputado neste domingo, válido pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Ainda no intervalo, o volante Guilherme mostrou-se indignado com as poças d'água, que impediam a troca de passes dos jogadores.

– Jogo de Série A não pode ser em um campo desses, não dá para jogar, não dá para ver nada – disse.

A drenagem ruim do estádio, que pertence ao Paraná Clube, prejudicou o estilo de jogo do Timão, que valoriza a posse de bola, e aumentou o número de passes errados e de faltas. Renato Augusto e Danilo, por exemplo, protagonizaram entradas duras e levaram cartão amarelo.

– A gente veio para cá para jogar futebol e jogamos alguma coisa parecida. Você não consegue tocar, chutar, é só correria. O segundo tempo foi um pouquinho mais parecido com futebol, mas também não foi. O gramado não ajudou – disse o camisa 8, que jogou de máscara novamente para proteger sua face, que passou por cirurgia recente.

Com dez pontos em oito rodadas, os jogadores se dividiram entre os que acharam o resultado positivo e os que o consideraram muito ruim.

– Com esse gramado, foi bom. Conseguimos um ponto fora. Agora, em casa, não podemos perder mais pontos – disse Cássio, lembrando a derrota para o Atlético-MG e os empates com Botafogo e Portuguesa.

– Nós viemos atrás da vitória e o empate foi um mal resultado – opinou o zagueiro Paulo André.

Em gramado encharcado, Corinthians empata com Atlético-PR

Os corintianos culparam a péssima situação do campo da Vila Capanema para justificar o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR, que ocupa a zona do rebaixamento, em jogo disputado neste domingo, válido pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Ainda no intervalo, o volante Guilherme mostrou-se indignado com as poças d'água, que impediam a troca de passes dos jogadores.

– Jogo de Série A não pode ser em um campo desses, não dá para jogar, não dá para ver nada – disse.

A drenagem ruim do estádio, que pertence ao Paraná Clube, prejudicou o estilo de jogo do Timão, que valoriza a posse de bola, e aumentou o número de passes errados e de faltas. Renato Augusto e Danilo, por exemplo, protagonizaram entradas duras e levaram cartão amarelo.

– A gente veio para cá para jogar futebol e jogamos alguma coisa parecida. Você não consegue tocar, chutar, é só correria. O segundo tempo foi um pouquinho mais parecido com futebol, mas também não foi. O gramado não ajudou – disse o camisa 8, que jogou de máscara novamente para proteger sua face, que passou por cirurgia recente.

Com dez pontos em oito rodadas, os jogadores se dividiram entre os que acharam o resultado positivo e os que o consideraram muito ruim.

– Com esse gramado, foi bom. Conseguimos um ponto fora. Agora, em casa, não podemos perder mais pontos – disse Cássio, lembrando a derrota para o Atlético-MG e os empates com Botafogo e Portuguesa.

– Nós viemos atrás da vitória e o empate foi um mal resultado – opinou o zagueiro Paulo André.

Em gramado encharcado, Corinthians empata com Atlético-PR