icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/04/2014
15:54

A gafe cometida por Alexandre Kalil com o anúncio do reforço que não chegou não é raro entre os cartolas. A precipitação do mandatário para dar um desfecho na negociação com o francês Anelka - que chegou a constar na lista de atletas no site oficial do Galo - chega a acontecer com frequência, principalmente quando há grandes nomes e cifras envolvidos, acordos de grande visibilidade para dirigentes, clube e atleta.

O fracasso dos mineiros com Anelka não foi a primeira e tampouco será a última "presepada" dos clubes com grandes estrelas, e o LANCE!Net lembra de outras negociações que acabaram em grandes frustrações para os torcedores.

Zé Love deixou o Genoa e foi para Milão, mas não ficou (2012)

Negociação não saiu e atacante fechou com o Siena (Foto: Arquivo/LANCE)

Em 2012, pouco mais de um ano após sair do Santos como campeão da Libertadores, o atacante Zé Love, à época do Genoa, chegou a deixar o clube "acertado" com o Milan. Chegando à "cidade da moda", porém, o Rubro-Negro italiano exigiu que o jogador passasse por um período de testes, travando a negociação. Zé Love acabou no Siena, onde ficou por pouco tempo. Hoje, voltou ao Brasil e joga pelo Coritiba.

Grêmio faz festa de preparação, mas Ronaldinho fecha com o Flamengo (2011)

Ao sair do Milan, Ronaldinho preteriu o Grêmio pelo Flamengo (Foto: Arquivo/LANCE)


O presidente Alexandre Kalil tem uma gafe recente ainda maior para amenizar a "vergonha". Entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011, Flamengo, Grêmio e Palmeiras brigavam por Ronaldinho, que pretendia deixar o Milan. Clube de infância do atleta e que o revelou, o Grêmio levava vantagem na negociação, e chegou a preparar uma festa no Olímpico, levando caixas de som para a comemoração de retorno do meia.

Ronaldinho e Assis - irmão e empresário do meia -, porém, acertaram com o Flamengo, aumentando ainda mais o ódio e a frustração dos tricolores com o camisa 10, que teve saída conturbada do clube em 2000.

Sonho do Botafogo-SP de ter astro italiano Vieri dura pouco (2009)

Atleta brilhou na Itália e jogou duas Copas do Mundo (Foto: Arquivo/LANCE)

 

Em 2009, o Botafogo de Ribeirão Preto ficou muito próximo de contar mais uma vez com um astro internacional no elenco. O time que revelou os irmãos Sócrates e Raí chegou a anunciar o atacante italiano Vieri, que brilhou por Juventus, Inter de Milão e Fiorentina - mesmo clube em que jogou o Magrão na passagem pela Itália.

A chegada do novo camisa 9 chegou a ser confirmada pela assessoria de imprensa do clube paulista, e apenas exames médicos impediam o atleta de assinar o contrato. Vieri, porém, "sumiu". Não cumpriu os prazos para realização dos exames médicos, não se apresentou ao clube e sequer entrou em contato, fazendo o Botafogo-SP desistir da contratação e de contar com uma estrela no Paulista de 2010.

Thiago Neves assina pré-contrato com o Palmeiras, mas volta para o Fluminense (2008)

Thiago Neves brilhou mais que Conca em 2008 (Foto: Ricardo Cassiano)


O Fluminense ficou perto de perder quem seria o principal nome da campanha quase vitoriosa na Copa Libertadores de 2008. O meia Thiago Neves, autor de três gols no segundo jogo da final do torneio - perdido pelo Flu para a LDU, nos pênaltis - ficou perto de jogar pelo Palmeiras. O jogador, aliás, assinou com o clube.

Thiago Neves fechou um pré-contrato com o Verdão ainda em 2007, sem que os cariocas fossem informados. Mas o atleta voltou atrás, quis jogar a Libertadores no ano seguinte, e o Tricolor se viu obrigado a negociar com o Palmeiras pelo próprio jogador para não perdê-lo.

Chelsea chega a vender camisas, mas não fecha com Robinho

Otimismo era grande nos Blues, mas Robinho não chegou (Foto: Arquivo/LANCE)


Outro grande imbróglio em negociações aconteceu em 2008, desta vez envolvendo clubes europeus multimilionários. O Chelsea pretendia tirar Robinho do Real Madrid e, segundo informações divulgadas pela imprensa à época, chegou a oferecer 17 milhões de euros e quatro jogadores do elenco dos Blues para ter o brasileiro.

O otimismo era grande, e o londrinos chegaram a pôr à venda camisas de Robinho na loja virtual do clube. O atacante foi para a Inglaterra, mas o destino não foi Londres, e sim Manchester, vendido para o City.

Após declaração de amor ao Flamengo e treinos no Rio, Ronaldo vai para o Corinthians (2008)

Ronaldo virou "traidor" por não jogar no Flamengo (Foto: Gilvan de Souza)


O ano de 2008 foi agitado em expectativa para torcedores. Outra "vítima" no ano foi o Flamengo, que viu Ronaldo correr pelos gramados com a camisa do clube - mas apenas com a de treino, e apenas na Gávea. Após fazer parte da recuperação no Rio de Janeiro e jurar amor pelos cariocas, o atacante acabou fechando com o Corinthians, onde foi campeão da Copa do Brasil em 2009.

Presidente do clube à época, Márcio Braga chegou a afirmar que o Fenômeno havia usado o clube, e Ronaldo passou a ser persona non grata entre os rubro-negros, chegando a ser hostilizado em confrontos entre Flamengo e Corinthians, no Maracanã, em 2009 e 2010.

Vagner Love é apresentado e veste camisa, mas não joga no Corinthians (2005)

Vagner Love chegou a falar como reforço do Timão (Foto: Reginaldo Costa)


Corinthians e Vagner Love são protagonistas em uma das maiores gafes quando o assunto é anúncio de reforços. Na época das "vacas gordas" da MSI, em 2005, o atacante chegou para ser companheiro de Tevez, recém-contratado, e convocou uma entrevista coletiva para anunciar o acerto.

Com a camisa do Corinthians com nome e número nas costas, Vagner Love vinha do CSKA e falou como jogador do clube. Mas o clube russo não aceitou ceder o atleta, que voltou para a Rússia apesar do número 9 e do nome já impressos na camisa alvinegra.

Renato Gaúcho 'usa' São Paulo por dívida e é apresentado (1997)

Renato Gaúcho fechou com o São Paulo por dívida com o Fluminense (Foto: Acervo)


Em 1997, mais um caso de jogador apresentado à imprensa que não ficou. Só que, daquela vez, foi proposital. o atacante Renato Gaúcho foi anunciado como jogador do São Paulo pelo presidente Fernando Casal de Rey, que não suspeitava que o atacante estava "usando" o clube. O episódio não passou de uma provocação do atleta ao Fluminense, clube com o qual Renato tinha contrato e que lhe devia R$ 1,1 milhão. A tática funcionou, a dívida foi quitada e o atacante voltou para as Laranjeiras três dias depois.