icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes
09/11/2014
09:04

Os seis títulos em três temporadas como goleiro do Galatasaray entre 1998 e 2001 contribuíram, indiretamente, para a reinserção de Taffarel no futebol. Sem ligação direta com a modalidade desde que foi convidado por Dunga para ser observador técnico do Brasil na Copa da África de 2010, o ex-goleiro cravou definitivamente as raízes na Turquia quando o antigo clube fez um convite para que ele se tornasse preparador de goleiros. Bem à vontade em Istambul, ele é o anfitrião da Seleção na cidade que receberá o penúltimo jogo da equipe em 2014.

A nova vida na maior cidade europeia pôs fim a um ócio futebolístico na vida de Taffarel. Antes de ser olheiro do atual comandante da Seleção, o ex-jogador também tentou a carreira como empresário, entre 2005 e 2009. Mesmo sem experiência direta para exercer a nova função, ele apostou no currículo tarimbado como goleiro para encarar o desafio a partir de 2011.

- Eu não estava trabalhando com o futebol e nem sonhava em ser treinador de goleiro. Um dia recebo uma ligação do meu ex-treinador, Fatih Terim, do Galatasaray, me convidando para treinar os goleiros do clube. Respondi que não era treinador e ele simplesmente me disse que seria. E assim eu comecei nesta nova função - contou o ex-jogador.

O acaso que recolocou Taffarel no futebol e justamente no clube em que fez história deixou o ex-goleiro muito à vontade para se adaptar ao novo trabalho. O simples prazer por transmitir os ensinamentos de um campeão mundial a outros goleiros, inclusive, chegou a provocar uma dúvida quando Dunga fez o convite para a volta à Seleção.

- Fiquei preocupado, mas antes disso feliz com a lembrança do Dunga. Na verdade, fiquei dividido até o momento em que Gilmar (Rinaldi, coordenador geral de Seleções) disse que eu poderia continuar no clube e me apresentar nas convocações. O Galatasaray aceitou e estou feliz com as duas funções - comentou Taffarel.

Satisfeito por conciliar Galatasaray e Seleção Brasileira, o ex-goleiro tem a certeza que, enfim, conseguiu se reencontrar no futebol após ter desistido das funções de observador e agente de jogador.

- As coisas foram acontecendo, sem programação, somente seguindo as portas abertas por Deus. Um tempo atrás eu pedia um trabalho legal e não demorou muito. Deus me deu dois, e não tem dia que não agradeço - disse Taffarel.

(Taffarel na época em que foi jogador do Galatasaray)

TAFFAREL ELOGIA GOLEIROS, MAS QUER TEMPO PARA OBSERVAR

Taffarel terá uma missão importante no processo de renovação da Seleção para o Mundial da Rússia, em 2018. Passará também pelo crivo do preparador de goleiros a definição dos nomes que defenderão a meta do Brasil nos próximos anos.

Há um consenso que Jefferson deverá herdar a vaga de Julio Cesar, titular nas duas últimas Copas. Apesar da vantagem do atual titular - que não foi convocado para os amistosos contra Turquia e Áustria- o ex-goleiro prevê uma boa disputa com os demais nomes que estão tendo oportunidade com Dunga.

- São bons goleiros. Jefferson começou muito bem, pena que não dará continuidade nesses dois próximos jogos. Rafael é o mais novo de todos, mas está adquirindo muita experiência na Itália, assim como o Neto. E Diego Alves é goleiro experiente, que vinha merecendo uma convocação. Agora estamos convocando três e assim podemos analisar mais goleiros - comentou.

NA TURQUIA, PREPARADOR TREINA POSSÍVEL RIVAL

Titular do Galatasaray desde agosto de 2011, Muslera pode ser um adversário particular de Taffarel no ano que vem, quando Uruguai poderá ser um dos adversários do Brasil na Copa América, no Chile.

Até a competição chegar, porém, o pupilo nos Leões merece só os elogios do brasileiro. Para o ex-goleiro, não houve qualquer tipo de conflito com o uruguaio em relação à metodologia de trabalho.

- Muslera se adaptou bem ao meu trabalho - escola brasileira. E acho que no que no Uruguai não é tão diferente. Tivemos por tempos a nossa escola exportando bons goleiros, mas o importante é continuar a formação - comentou Taffarel.

O Galatasaray desembolsou aproximadamente R$ 20 milhões para tirar Muslera da Lazio. E o ano de chegada do jogador ao clube também coincide com a contratação de Taffarel como preparador de goleiros.

SÃO TAFFAREL

Épico

Taffarel ainda é lembrado na Turquia por ser o goleiro do time responsável pelo primeiro título continental do Galatasaray. Em 2000, os turcos enfrentaram o Arsenal na final da Copa da Uefa. Após empate no tempo normal, o Galatasaray bateu os ingleses nos pênaltis. Posteriormente, bateram o Real Madrid, campeão da Champions League, na decisão da Supercopa Europeia. Ainda no mesmo ano, os Leões levantaram o caneco do campeonato turco e da Taça da Turquia.

Mais canecos

Os outros dois títulos da Taffarel pelo Galatasaray foram do campeonato turco e da Taça da Turquia em 1999.