icons.title signature.placeholder Eduardo Mendes e Igor Siqueira
26/03/2014
14:16

A reinauguração da Granja Comary foi um pretexto muito conveniente para que o presidente José Maria Marin conseguisse reunir os eleitores da CBF. A menos de um mês da eleição presidencial, a situação teve uma ideia muito clara de que a oposição virou fumaça.

Nomes que, no princípio, formaram o bloco contrário a Marin e ao vice Marco Polo del Nero, que será candidato, estiveram lado a lado em Teresópolis nesta quarta-feira e o discurso foi unânime: dificilmente não haverá chapa contra Del Nero.

O presidente da Federação Gaúcha, Francisco Novelletto, que se lançou como candidato a opositor e ainda não conseguiu o apoio necessário, foi um dos dirigentes presentes. Ele foi discreto. Outros cartolas que chegaram a se insurgir contra a atual gestão adotaram um discurso mais brando em relação a Del Nero.

- Não sou candidato. O voto é secreto. Não autorizo ninguém a usar meu nome, nem para A, nem para B. Mas uma eleição por unanimidade não está descartada. Política é como uma nuvem. Você olha uma vez. Quando olha a segunda, já está diferente - afirmou o presidente da Ferj, Rubens Lopes, cujo pensamento foi seguido pelo colega paranaense, Hélio Cury:

- Pelo que tenho visto, não vai ter oposição.

A chapa de Del Nero para o pleito do dia 16 de abril está quase finalizada. Os vices serão Delfim Pádua Peixoto (Região Sul), Fernando Sarney (Região Norte), Gustavo Feijó (Região Nordeste) e Marcus Vicente (Centro-Oeste). A incógnita está no Centro-Sul. José Maria Marin foi convidado e ainda não sabe se fica na entidade após passar o bastão.

Além dos presidentes de Federação, que compareceram em massa, alguns presidentes de clubes, como o flamenguista Eduardo Bandeira de Mello e o vascaíno Roberto Dinamite, compareceram. Dinamite, inclusive, chegou à Granja com uma hora de atraso.