icons.title signature.placeholder LEONARDO PEREIRA
17/11/2014
15:29

Elkeson tem até o dia 4 de janeiro para desfrutar de merecidas férias a aproveitar o filho Pietro, nascido há duas semanas, no Rio de Janeiro. Sem descanso nos últimos dois anos, logo após a virada para 2015, o atacante deixará o verão tropical para retornar à China, país que terá sempre lembranças boas com as duas temporadas bem sucedidas pelo Guangzhou Evergrande.

No momento, ficar no Brasil não está nos planos do ex-botafoguense. Em entrevista ao LANCE!Net, Elkeson afirmou que o momento é propício para tentar vencer na Europa após o último ano de contrato a cumprir com os asiáticos.

E MAIS:

HOME: Veja as últimas notícias do futebol internacional
Neuer cutuca Cristiano Ronaldo: 'Não fico posando de cueca'

- Torço muito pelos amigos que jogam aqui (no Brasil). Quero vê-los bem. Mas meu pensamento é ficar mais uma temporada na China e depois, como o sonho de muitos jogadores, defender uma equipe da Europa e me consolidar por lá. Vamos aguardar uma proposta boa para minhas intenções e para o Guangzhou - projetou.

Bicampeão chinês, melhor jogador da última competição, recordista de gols no país, campeão da Champions asiática... O número de troféus conquistados mostra que o atacante se adaptou rápido à vida no Extremo Oriente. Ao contrário de muitos brasileiros, Elkeson evitou ser pego de surpresa pelas diferenças de hábitos culturais entre Brasil e China. Nem mesmo as comidas exóticas o assustaram no início.

- Fui muito feliz na escolha. Moro numa cidade moderna, com infraestrutura que ajuda qualquer estrangeiro. Não paguei nenhum mico. Procuro ficar quieto na minha e não inventar também. A comida? Não foi complicado. Adoro Yakisoba!

Em campo, o mesmo resultado. Dificuldade apenas no primeiro jogo. Na partida seguinte, dois gols para convencer o técnico italiano Marcelo Lippi de que ele estava certo ao apostar naquele atacante natural de Coelho Neto, Maranhão. Os jogos seguintes foram de entrosamento e sucesso ao lado dos sul-americanos Conca e Muriqui.

Com 14 jogadores da seleção chinesa no time, Elkeson se tornou recordista no país (Crédito/AFP)

Do mesmo modo que saiu do Botafogo, em dezembro de 2012, Elkeson deixou a função de armador nos tempos de Vitória e foi a campo como centroavante. No entanto, hoje ele tem outro papel na equipe agora treinada por Fabio Canavarro.

- Agradeço ao Oswaldo de Oliveira (técnico do Botafogo em 2012-2013) por me escalar como centroavante. Foi com ele que aprendi. Na China, nesta posição nova, consegui ser o artilheiro e fazer 32 gols na primeira temporada e 38 no ano seguinte. Fomos campeões da Ásia, enfim... Um ano maravilhoso. Com a saída do Muriqui, fui deslocado para o lado esquerdo. Hoje, o Gilardino (atacante ex-Milan) é o 9.

Apesar de sentir quase em casa na China, Elkeson "fraquejou" recentemente...

- Foi durante a Copa do Mundo. Sempre acompanhei pela televisão. Desde pequeno sonhei com um Mundial no meu país. Naquele momento, queria voltar e participar um pouquinho da festa.