icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
20/11/2013
09:07

Rogério Ceni, que nesta quarta-feira, contra a Ponte Preta, vai igualar o número de jogos de Pelé pelo Santos (1.116), não é um mito só para os são-paulinos. Essa é a visão dos ex-jogadores que, assim como goleiro, estabeleceram recordes de partidas em gigantes do futebol brasileiro. Reverencido até por ídolos rivais, Ceni chegou a ser comparado a Jesus Cristo.

- Se gente já ficava surpreso com a marca do Pelé, imagine com essa. Na hora difícil, o Rogério Ceni abraça o mundo, como Jesus Cristo. Erra, é castigado, chicoteado, e depois dá a volta por cima - disse Tarciso, ponta-direita que acumulou 721 jogos pelo Grêmio nas décadas de 1970 e 1980.

Em São Paulo, Ademir da Guia é quem mais se aproxima de Ceni e Pelé, com 901 jogos pelo Palmeiras. O Divino, que define o são-paulino como "bom rapaz", o aconselha a renovar o contrato e continuar jogando futebol no ano que vem.

- Ele tem de buscar 1.200, 1.300 jogos. Fiz 901 no Palmeiras, ninguém tem mais, e é um orgulho. Ele vai poder falar que é o cara com mais jogos... Idade não tem nada a ver. Ele está jogando bem, o São Paulo voltou a jogar bem. Se continuar assim, tem de renovar - opinou, adotando tom semelhante ao de Wladimir, recordista do Corinthians.

- É fantástico! Se eu já estou satisfeito com meus 806 jogos, imagino alguém que chega a mil e tantos... O Rogério construiu a carreira em um time só. Uma marca fabulosa - opinou o ex-lateral-esquerdo.

Júnior, com 857 jogos no Flamengo, e Valdomiro, com 815 no Inter, também parabenizaram o capitão do Tricolor.

- O Rogério vai encerrar a carreira como recordista em títulos, jogos... Um orgulho! Hoje, os jogadores ficam dois anos no clube e já mudam. O cara que completa 100 jogos faz uma festa, ganha placa, ganha tudo. Isso mudou. A referência no Santos é o Pelé. No Flamengo, é o Zico. No Vasco, o Dinamite. No Palmeiras, o Ademir. E no São Paulo é o Rogério Ceni - disse Valdomiro.

- O Rogério já dispensa qualquer tipo de comparação pela carreira dele. Os números são suficientes para mostrar a importância dele. Conheço ele, tenho respeito e admiração - concluiu Júnior.

OS RECORDISTAS DE JOGOS DOS GRANDES CLUBES:

Pelé (Santos) - 1.116
Rogério Ceni (São Paulo) - 1.115
Roberto Dinamite (Vasco) - 1.110
Ademir da Guia (Palmeiras) - 901
Júnior (Flamengo) - 857
Valdomiro (Internacional) - 815
Wladimir (Corinthians) - 806
Tarciso (Grêmio) - 721
Nilton Santos (Botafogo) - 718
Castilho (Fluminense) - 699
João Leite (Atlético-MG) - 684
Zé Carlos (Cruzeiro) - 619