icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/07/2013
18:03

A reestreia de Paulo Autuori no comando do São Paulo com certeza não foi como o técnico gostaria. Assumindo o clube pela segunda vez oito anos após a conquista da Libertadores, o treinador viu a equipe ser derrotada pelo Vitória por 3 a 2, no Barradão. Com o revés, o clube do Morumbi chegou à quinta derrota consecutiva - incluindo Brasileirão, Recopa e amistoso contra o Flamengo -, além de completar oito partidas sem vitória.

O último triunfo tricolor aconteceu justamente contra Autuori, no dia 29 de maio, quando ainda ele comandava o Vasco na goleada são-paulino por 5 a 1, pelo Brasileirão, no Morumbi. Já o Vitória foi a 13 pontos na tabela e garantiu sua permanência no G4.

A chegada do novo treinador parecia ter, de fato, renovado o ânimo dos são-paulinos pelo que a equipe apresentou nos primeiros minutos de jogo. Bem postada e compacta, manteve a posse de bola, muito por conta do tal "diamante" no meio de campo a que Autuori se referiu na coletiva de sexta-feira. Ao contrário de como vinha jogando nos últimos jogos, Wellington ganhou mais liberdade e foi posicionado à direita. Rodrigo Caio recuou e ficou à frente da defesa enquanto Maicon, aberto pela esquerda, era quem chegava mais próximo de Paulo Henrique Ganso para auxiliar na criação. O Maestro, com liberdade, participou bastante das ações ofensivas na etapa inicial.

Aos 9 minutos, em contra-ataque que iniciou com Ganso, o São Paulo abriu o placar. O camisa 8 lançou Rodrigo Caio, que arrancou e serviu Osvaldo na ponta esquerda. O atacante driblou o zagueiro e cruzou, contando com o desvio do goleiro Wilson que deixou Aloísio com o gol escancarado.

Nos minutos seguintes, o lado esquerdo da equipe continuava a ser o mais perigoso. Mas foi justamente no setor que Maicon perdeu uma bola e deu o contragolpe aos baianos. Escudero lançou Dinei às costas de Lúcio, Edson Silva deu condição e, após ser cortado pelo centroavante do Leão, viu Rogério Ceni cair no chão antes da conclusão que terminou nas redes do camisa 01.

O bom primeiro tempo do Tricolor parecia ter se resumido ao empate dos donos da casa. A desatenção da equipe voltaria a dar as caras no segundo gol. Lucas Farias cortou passe e Rodrigo Caio, ao tentar dominar, acabou tropeçando na bola e deixou para Maxi Biancucchi. O primo de Messi ajeitou e bateu por cima de Ceni após desviar no próprio Rodrigo Caio, que tentava se recuperar do vacilo.

São-paulinos comemoram o gol de Ceni, o segundo do Tricolor em Salvador (Romildo de Jesus/LANCE!Press)

Buscando voltar à partida, o São Paulo se esforçava para trocar passes como fizera no início do confronto. Em mais uma bola de Ganso, Aloísio sofreu falta na entrada da área e Ceni foi para a cobrança. Como nos velhos tempos de Autuori, em 2005, quando o goleiro e capitão são-paulino vivia grande fase tanto debaixo dos três paus como "no ataque", cobrou com maestria por fora da barreira e deixou tudo igual novamente.

Na volta para a segunda etapa, a conversa de Caio Junior no vestiário pareceu ter sido melhor absorvida por seus atletas do que a de Autuori com os são-paulinos. Ligados, os rubro-negros imprimiram grande pressão nos minutos iniciais.

Logo nos primeiros seis do segundo tempo, o Vitória teve tempo de Renato Cajá desperdiçar oportunidade incrível debaixo da trave e Escudero sofrer um Penalti, cometido por Wellington. Cajá, que já havia perdido uma ótima chance, foi para a cobrança e jogou por cima do gol.

O susto no começo da etapa complementar deixou o Tricolor atordoado e se os erros defensivos já apareciam com frequência no primeiro tempo, o problema de marcação do time ficaria mais escancarado ainda com a pressão dos mandantes. Aos 10 minutos, Juan foi dar combate no meio de campo e levou um chapéu (meio sem querer) de Cajá. Maicon teve que tentar cobrir as costas do lateral e, após cruzamento de Nino, Maxi aproveitou a liberdade dentro da grande área e desviou para dentro do gol.

Nervoso, o volante Wellington, que havia cometido o pênalti desperdiçado pelo Vitória, fez falta feia em Cajá na lateral de campo e recebeu o segundo amarelo (seguido de vermelho), deixando o campo mais cedo. A expulsão ocorreu praticamente um minuto depois que Autuori tinha mandado a campo o atacante Ademilson, para dar mais profundidade ao time.

Com um a menos, o São Paulo viu o Rubro-Negro baiano relaxar e, na base da raça e da vontade, tentou ir à frente para garantir o empate no Barradão. Aloísio teve boa chance de marcar, chutada por cima do gol de Wilson. A equipe se reapresenta nesta segunda-feira, de olho no jogo de volta da Recopa, quarta, contra o Corinthians. Apesar do pouco tempo, Paulo Autuori terá que aproveitar esses dois dias ao máximo para reparar a fragilidade da zaga são-paulina e tentar deixar o Pacaembu com o título sul-americano.

Na próxima rodada, o São Paulo receberá o Cruzeiro, no Morumbi, sábado, às 18h30. Já o Leão enfrenta o Bahia no clássico baiano, que acontecerá domingo, às 16h, na Arena Fonte Nova.

FICHA TÉCNICA
VITÓRIA 3 X 2 SÃO PAULO

Local: Barradão, Salvador (BA)
Data/hora: 14/7/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (Fifa-AL)
Auxiliares: Rodrigo F. Henrique Corrêa (RJ) e Pedro J. Santos de Araújo (AL)

CARTÕES AMARELOS: Escudero e Gabriel Soares (VIT); Osvaldo, Wellington e Ganso (SAO)
CARTÕES VERMELHOS: Wellington (SAO)
GOLS: Aloísio, 9'/1°T (0-1); Dinei, 20'/1ºT (1-1); Maxi Biancucchi, 28'/1ºT (2-1); Rogério Ceni, 35'/1ºT (2-2); Maxi Biancucchi, 11'/2ºT (3-2)

VITÓRIA:  Wilson; Nino, Victor Ramos, Gabriel Paulista e Tarracha; Michel, Cáceres (Vander - 29'/2ºT), Escudero (Gabriel Soares - 22'/2ºT) e Renato Cajá; Maxi Biancuchi e Dinei – Técnico: Caio Junior.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Lucas Farias (Fabrício - 10'/2ºT), Lúcio, Edson Silva e Juan; Wellington, Rodrigo Caio, Maicon (Ademílson - 22'/2ºT) e Ganso; Osvaldo e Aloísio. Técnico: Paulo Autuori.

A reestreia de Paulo Autuori no comando do São Paulo com certeza não foi como o técnico gostaria. Assumindo o clube pela segunda vez oito anos após a conquista da Libertadores, o treinador viu a equipe ser derrotada pelo Vitória por 3 a 2, no Barradão. Com o revés, o clube do Morumbi chegou à quinta derrota consecutiva - incluindo Brasileirão, Recopa e amistoso contra o Flamengo -, além de completar oito partidas sem vitória.

O último triunfo tricolor aconteceu justamente contra Autuori, no dia 29 de maio, quando ainda ele comandava o Vasco na goleada são-paulino por 5 a 1, pelo Brasileirão, no Morumbi. Já o Vitória foi a 13 pontos na tabela e garantiu sua permanência no G4.

A chegada do novo treinador parecia ter, de fato, renovado o ânimo dos são-paulinos pelo que a equipe apresentou nos primeiros minutos de jogo. Bem postada e compacta, manteve a posse de bola, muito por conta do tal "diamante" no meio de campo a que Autuori se referiu na coletiva de sexta-feira. Ao contrário de como vinha jogando nos últimos jogos, Wellington ganhou mais liberdade e foi posicionado à direita. Rodrigo Caio recuou e ficou à frente da defesa enquanto Maicon, aberto pela esquerda, era quem chegava mais próximo de Paulo Henrique Ganso para auxiliar na criação. O Maestro, com liberdade, participou bastante das ações ofensivas na etapa inicial.

Aos 9 minutos, em contra-ataque que iniciou com Ganso, o São Paulo abriu o placar. O camisa 8 lançou Rodrigo Caio, que arrancou e serviu Osvaldo na ponta esquerda. O atacante driblou o zagueiro e cruzou, contando com o desvio do goleiro Wilson que deixou Aloísio com o gol escancarado.

Nos minutos seguintes, o lado esquerdo da equipe continuava a ser o mais perigoso. Mas foi justamente no setor que Maicon perdeu uma bola e deu o contragolpe aos baianos. Escudero lançou Dinei às costas de Lúcio, Edson Silva deu condição e, após ser cortado pelo centroavante do Leão, viu Rogério Ceni cair no chão antes da conclusão que terminou nas redes do camisa 01.

O bom primeiro tempo do Tricolor parecia ter se resumido ao empate dos donos da casa. A desatenção da equipe voltaria a dar as caras no segundo gol. Lucas Farias cortou passe e Rodrigo Caio, ao tentar dominar, acabou tropeçando na bola e deixou para Maxi Biancucchi. O primo de Messi ajeitou e bateu por cima de Ceni após desviar no próprio Rodrigo Caio, que tentava se recuperar do vacilo.

São-paulinos comemoram o gol de Ceni, o segundo do Tricolor em Salvador (Romildo de Jesus/LANCE!Press)

Buscando voltar à partida, o São Paulo se esforçava para trocar passes como fizera no início do confronto. Em mais uma bola de Ganso, Aloísio sofreu falta na entrada da área e Ceni foi para a cobrança. Como nos velhos tempos de Autuori, em 2005, quando o goleiro e capitão são-paulino vivia grande fase tanto debaixo dos três paus como "no ataque", cobrou com maestria por fora da barreira e deixou tudo igual novamente.

Na volta para a segunda etapa, a conversa de Caio Junior no vestiário pareceu ter sido melhor absorvida por seus atletas do que a de Autuori com os são-paulinos. Ligados, os rubro-negros imprimiram grande pressão nos minutos iniciais.

Logo nos primeiros seis do segundo tempo, o Vitória teve tempo de Renato Cajá desperdiçar oportunidade incrível debaixo da trave e Escudero sofrer um Penalti, cometido por Wellington. Cajá, que já havia perdido uma ótima chance, foi para a cobrança e jogou por cima do gol.

O susto no começo da etapa complementar deixou o Tricolor atordoado e se os erros defensivos já apareciam com frequência no primeiro tempo, o problema de marcação do time ficaria mais escancarado ainda com a pressão dos mandantes. Aos 10 minutos, Juan foi dar combate no meio de campo e levou um chapéu (meio sem querer) de Cajá. Maicon teve que tentar cobrir as costas do lateral e, após cruzamento de Nino, Maxi aproveitou a liberdade dentro da grande área e desviou para dentro do gol.

Nervoso, o volante Wellington, que havia cometido o pênalti desperdiçado pelo Vitória, fez falta feia em Cajá na lateral de campo e recebeu o segundo amarelo (seguido de vermelho), deixando o campo mais cedo. A expulsão ocorreu praticamente um minuto depois que Autuori tinha mandado a campo o atacante Ademilson, para dar mais profundidade ao time.

Com um a menos, o São Paulo viu o Rubro-Negro baiano relaxar e, na base da raça e da vontade, tentou ir à frente para garantir o empate no Barradão. Aloísio teve boa chance de marcar, chutada por cima do gol de Wilson. A equipe se reapresenta nesta segunda-feira, de olho no jogo de volta da Recopa, quarta, contra o Corinthians. Apesar do pouco tempo, Paulo Autuori terá que aproveitar esses dois dias ao máximo para reparar a fragilidade da zaga são-paulina e tentar deixar o Pacaembu com o título sul-americano.

Na próxima rodada, o São Paulo receberá o Cruzeiro, no Morumbi, sábado, às 18h30. Já o Leão enfrenta o Bahia no clássico baiano, que acontecerá domingo, às 16h, na Arena Fonte Nova.

FICHA TÉCNICA
VITÓRIA 3 X 2 SÃO PAULO

Local: Barradão, Salvador (BA)
Data/hora: 14/7/2013 – 16h (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (Fifa-AL)
Auxiliares: Rodrigo F. Henrique Corrêa (RJ) e Pedro J. Santos de Araújo (AL)

CARTÕES AMARELOS: Escudero e Gabriel Soares (VIT); Osvaldo, Wellington e Ganso (SAO)
CARTÕES VERMELHOS: Wellington (SAO)
GOLS: Aloísio, 9'/1°T (0-1); Dinei, 20'/1ºT (1-1); Maxi Biancucchi, 28'/1ºT (2-1); Rogério Ceni, 35'/1ºT (2-2); Maxi Biancucchi, 11'/2ºT (3-2)

VITÓRIA:  Wilson; Nino, Victor Ramos, Gabriel Paulista e Tarracha; Michel, Cáceres (Vander - 29'/2ºT), Escudero (Gabriel Soares - 22'/2ºT) e Renato Cajá; Maxi Biancuchi e Dinei – Técnico: Caio Junior.

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Lucas Farias (Fabrício - 10'/2ºT), Lúcio, Edson Silva e Juan; Wellington, Rodrigo Caio, Maicon (Ademílson - 22'/2ºT) e Ganso; Osvaldo e Aloísio. Técnico: Paulo Autuori.