icons.title signature.placeholder Bruno Rodrigues
icons.title signature.placeholder Bruno Rodrigues
20/07/2013
10:01

A relação entre Ricardo Goulart e o São Paulo não se restringe apenas ao duelo deste sábado, pelo Brasileirão, no Morumbi. Quando jovem, o meia-atacante nascido em São José dos Campos fez alguns testes em clubes da capital paulista, entre eles o Tricolor. Mas não foi no clube que o atleta ganhou a chance de iniciar sua trajetória no futebol.

- Era bem novinho né, comecei a fazer testes nos clubes de São Paulo e não passei. Mas futebol é assim, nunca pode desistir. Quando você tem um talento não pode abrir mão dele, é algo que você gosta de fazer desde pequeno, tem que ir atrás do seu sonho. Comigo não foi diferente. O mundo dá voltas e hoje estou muito feliz no Cruzeiro - disse Goulart, em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, logo depois do treino no CT do Palmeiras.

Em 2012, São Paulo e Goiás se enfrentaram pelas quartas de final da Copa do Brasil. No primeiro jogo, vitória são-paulina por 2 a 0, gols de Luis Fabiano e Douglas, No duelo de volta, no Serra Dourada, ficaram no empate em 2 a 2, resultado que classificou os paulistas. E um dos gols esmeraldinos saiu, justamente, dos pés de Ricardo Goulart, em seu reencontro com o clube que o recusara na adolescência.

Após anotar outros 24 gols na última temporada, o atleta encerrou o ano como o destaque dos goianos na campanha do título da Série B que, consequentemente, rendeu o retorno do time à elite do Campeonato Brasileiro. Desempenho que chamou a atenção de clubes como Palmeiras, Atlético-MG e, quem diria, São Paulo. Contudo, depois de novamente ver seu destino ligado ao Tricolor, rumou ao Cruzeiro para viver, longe do Morumbi, mais um momento especial em sua carreira.

Isso porque com a saída de Diego Souza da Raposa, o meia-atacante é hoje titular no esquema do técnico Marcelo Oliveira. Na última rodada do Nacional, foi às redes na vitória sobre o Náutico por 3 a 0. Autor de mais quatro tentos e outras quatro assistências pelo Cruzeiro em 2013 (20 jogos, sete como titular), o atleta espera seguir com a boa fase e se diz ciente do desafio que assumiu ao substituir o ex-camisa 10.

- É uma responsabilidade grande, até pelo fato de estar em um clube grande como o Cruzeiro. Eu sei o tamanho disso, mas estou tranquilo e o professor (Marcelo Oliveira) está me dando confiança para jogar. Espero fazer um bom trabalho - completou.

Ricardo Goulart foi recusado em teste no São Paulo (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)

Confira um bate-bola Ricardo Goulart, em entrevista ao LANCE!Net:

L!: No esquema do Marcelo, tem variado entre meia-atacante, segundo atacante e, às vezes, até de centroavante. Como prefere jogar?
R: Olha, nesse esquema que a gente joga ele (Marcelo) dá total liberdade para a gente se movimentar. Como são três meias meias e um atacante nos movimentamos muito. Terão vezes que estarei no lugar do Vinícius (Araújo), do Éverton (Ribeiro) ou do Luan. Mas minha preferência é pelas três posições (risos.) Jogador não pode jogar só em uma posição não, tem que saber jogar em umas três no mínimo.

L!: Para o Cruzeiro, é melhor enfrentar um São Paulo em crise ou em boa fase? Há diferença?
R:Tanto na crise como em um bom momento eles têm profissionais de qualidade, entram em campo querendo ganhar independentemente de crise. Estamos focados e sabemos que vai ser um jogo difícil, espero que possamos entrar concentrados e fazer um bom jogo.

L!: Qual foi até aqui o melhor momento de sua carreira: ser o destaque do Goiás em 2012 ou conquistar a vaga e se manter como titular do Cruzeiro?
R: O ano passado foi excelente para mim, ficou marcado na minha carreira. Graças ao Goiás estou jogando no Cruzeiro hoje, abriu as portas para mim. E estar jogando aqui é uma felicidade imensa, além de estar conquistando meu espaço. Conquistar espaço em uma equipe grande é muito difícil, mas sei das minhas qualidades e espero dar bons frutos ao Cruzeiro.

L!: O que se lembra do teste que fez no São Paulo?
R: Era muito difícil. Havia muitos garotos, hoje já se tem outra visão de como se fazer um teste. Foi difícil, meus pais deram muita força, tomavam minhas dores quando eu levava um não, quando me reprovavam. Hoje graças a Deus posso dar alegrias a eles.

L!: Gol no ano passado pelo Goiás e, de repentem, outro gol neste sábado podem ser uma espécie de "troco" no Tricolor?
R: (Risos) Troco não. O essencial do futebol é o gol, vou procurar jogar os 90 minutos para que possamos sair com os três pontos.

L!: Se tivesse passado naquele teste, como e onde crê que estaria hoje? Dá para imaginar?
R: Não dá para prever né, a gente sempre tem que viver o presente. Hoje vivo um bom momento e espero cada vez me firmar mais e dar alegrias a essa torcida maravilhosa que é a do Cruzeiro.

A relação entre Ricardo Goulart e o São Paulo não se restringe apenas ao duelo deste sábado, pelo Brasileirão, no Morumbi. Quando jovem, o meia-atacante nascido em São José dos Campos fez alguns testes em clubes da capital paulista, entre eles o Tricolor. Mas não foi no clube que o atleta ganhou a chance de iniciar sua trajetória no futebol.

- Era bem novinho né, comecei a fazer testes nos clubes de São Paulo e não passei. Mas futebol é assim, nunca pode desistir. Quando você tem um talento não pode abrir mão dele, é algo que você gosta de fazer desde pequeno, tem que ir atrás do seu sonho. Comigo não foi diferente. O mundo dá voltas e hoje estou muito feliz no Cruzeiro - disse Goulart, em entrevista exclusiva ao LANCE!Net, logo depois do treino no CT do Palmeiras.

Em 2012, São Paulo e Goiás se enfrentaram pelas quartas de final da Copa do Brasil. No primeiro jogo, vitória são-paulina por 2 a 0, gols de Luis Fabiano e Douglas, No duelo de volta, no Serra Dourada, ficaram no empate em 2 a 2, resultado que classificou os paulistas. E um dos gols esmeraldinos saiu, justamente, dos pés de Ricardo Goulart, em seu reencontro com o clube que o recusara na adolescência.

Após anotar outros 24 gols na última temporada, o atleta encerrou o ano como o destaque dos goianos na campanha do título da Série B que, consequentemente, rendeu o retorno do time à elite do Campeonato Brasileiro. Desempenho que chamou a atenção de clubes como Palmeiras, Atlético-MG e, quem diria, São Paulo. Contudo, depois de novamente ver seu destino ligado ao Tricolor, rumou ao Cruzeiro para viver, longe do Morumbi, mais um momento especial em sua carreira.

Isso porque com a saída de Diego Souza da Raposa, o meia-atacante é hoje titular no esquema do técnico Marcelo Oliveira. Na última rodada do Nacional, foi às redes na vitória sobre o Náutico por 3 a 0. Autor de mais quatro tentos e outras quatro assistências pelo Cruzeiro em 2013 (20 jogos, sete como titular), o atleta espera seguir com a boa fase e se diz ciente do desafio que assumiu ao substituir o ex-camisa 10.

- É uma responsabilidade grande, até pelo fato de estar em um clube grande como o Cruzeiro. Eu sei o tamanho disso, mas estou tranquilo e o professor (Marcelo Oliveira) está me dando confiança para jogar. Espero fazer um bom trabalho - completou.

Ricardo Goulart foi recusado em teste no São Paulo (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)

Confira um bate-bola Ricardo Goulart, em entrevista ao LANCE!Net:

L!: No esquema do Marcelo, tem variado entre meia-atacante, segundo atacante e, às vezes, até de centroavante. Como prefere jogar?
R: Olha, nesse esquema que a gente joga ele (Marcelo) dá total liberdade para a gente se movimentar. Como são três meias meias e um atacante nos movimentamos muito. Terão vezes que estarei no lugar do Vinícius (Araújo), do Éverton (Ribeiro) ou do Luan. Mas minha preferência é pelas três posições (risos.) Jogador não pode jogar só em uma posição não, tem que saber jogar em umas três no mínimo.

L!: Para o Cruzeiro, é melhor enfrentar um São Paulo em crise ou em boa fase? Há diferença?
R:Tanto na crise como em um bom momento eles têm profissionais de qualidade, entram em campo querendo ganhar independentemente de crise. Estamos focados e sabemos que vai ser um jogo difícil, espero que possamos entrar concentrados e fazer um bom jogo.

L!: Qual foi até aqui o melhor momento de sua carreira: ser o destaque do Goiás em 2012 ou conquistar a vaga e se manter como titular do Cruzeiro?
R: O ano passado foi excelente para mim, ficou marcado na minha carreira. Graças ao Goiás estou jogando no Cruzeiro hoje, abriu as portas para mim. E estar jogando aqui é uma felicidade imensa, além de estar conquistando meu espaço. Conquistar espaço em uma equipe grande é muito difícil, mas sei das minhas qualidades e espero dar bons frutos ao Cruzeiro.

L!: O que se lembra do teste que fez no São Paulo?
R: Era muito difícil. Havia muitos garotos, hoje já se tem outra visão de como se fazer um teste. Foi difícil, meus pais deram muita força, tomavam minhas dores quando eu levava um não, quando me reprovavam. Hoje graças a Deus posso dar alegrias a eles.

L!: Gol no ano passado pelo Goiás e, de repentem, outro gol neste sábado podem ser uma espécie de "troco" no Tricolor?
R: (Risos) Troco não. O essencial do futebol é o gol, vou procurar jogar os 90 minutos para que possamos sair com os três pontos.

L!: Se tivesse passado naquele teste, como e onde crê que estaria hoje? Dá para imaginar?
R: Não dá para prever né, a gente sempre tem que viver o presente. Hoje vivo um bom momento e espero cada vez me firmar mais e dar alegrias a essa torcida maravilhosa que é a do Cruzeiro.