icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder RADAR/LANCEPRESS!
29/08/2015
11:26

Recuperada de uma lesão que a afastou das competições por quatro anos, Blanka Vlasic foi o grande destaque do salto em altura, na manhã deste sábado, no Estádio Ninho do Pássaro, em Pequim, na China. Apesar de ter ficado apenas com a medalha de prata, atrás da russa Maria Kuchina, a croata superou a barreira dos dois metros, assegurando seu lugar no pódio. Muito emocionada, a atleta chorou muito e comoveu o público. Anna Chicherova, também da Rússia, ficou com o bronze.

- Cheguei aqui com confiança zero, já estava feliz de embarcar no avião para Pequim. Eu não estava treinando com a perna direita, eu não podia treinar propriamente. Eu não tinha direito de esperar nada aqui, por isso fiquei tão emocionada de saltar acima dos 2 metros de novo - disse Blanka, falando do problema no Tendão de Aquiles, que a afastou das competições:

- Eu sou grata por cada chance de ser apta por fazer o que eu mais amo. Estar humilde é o mais importante. Não importa o quão alto você vá, é preciso saber que em um momento ninguém mais pode se lembrar de você. Eu estou consciente das coisas que podem ir mal. Então toda chance que tiver de saltar de novo vai ser comemorada. A fé era o que me mantinha. Foi meu propósito para não desistir. Definitivamente tenho uma perspectiva diferente do que quero para minha carreira hoje.

Recuperada de uma lesão que a afastou das competições por quatro anos, Blanka Vlasic foi o grande destaque do salto em altura, na manhã deste sábado, no Estádio Ninho do Pássaro, em Pequim, na China. Apesar de ter ficado apenas com a medalha de prata, atrás da russa Maria Kuchina, a croata superou a barreira dos dois metros, assegurando seu lugar no pódio. Muito emocionada, a atleta chorou muito e comoveu o público. Anna Chicherova, também da Rússia, ficou com o bronze.

- Cheguei aqui com confiança zero, já estava feliz de embarcar no avião para Pequim. Eu não estava treinando com a perna direita, eu não podia treinar propriamente. Eu não tinha direito de esperar nada aqui, por isso fiquei tão emocionada de saltar acima dos 2 metros de novo - disse Blanka, falando do problema no Tendão de Aquiles, que a afastou das competições:

- Eu sou grata por cada chance de ser apta por fazer o que eu mais amo. Estar humilde é o mais importante. Não importa o quão alto você vá, é preciso saber que em um momento ninguém mais pode se lembrar de você. Eu estou consciente das coisas que podem ir mal. Então toda chance que tiver de saltar de novo vai ser comemorada. A fé era o que me mantinha. Foi meu propósito para não desistir. Definitivamente tenho uma perspectiva diferente do que quero para minha carreira hoje.