icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
17/02/2015
19:35

O Corinthians ainda deve dinheiro a Ralf, algo que o volante minimiza, mas espera ser resolvido agora que Roberto de Andrade foi eleito presidente, no último dia 7 de fevereiro. No total, a dívida do clube chega a quase R$ 5 milhões. O valor é referente a direitos de imagem e à compra dos direitos econômicos do jogador em julho de 2012, quando foi recusada uma proposta da Fiorentina (ITA) para contar com o jogador.

– O Corinthians ainda não me pagou, não, mas venho conversando com o pessoal da diretoria. Tinha que esperar as eleições para saber do novo presidente. Acho que veremos isso nos próximos dias, não haverá problemas – disse o volante alvinegro, em entrevista coletiva.

- Estou no clube há cinco anos e nunca tive problema em relação a dinheiro. Estou tranquilo, focado no trabalho. Isso nunca me impediu de fazer nada. Estou focado em conquistar mais títulos – disse.

Parte do valor cabe aos empresários do jogador. Em janeiro, eles entraram com uma ação na Justiça pedindo R$ 2,8 milhões pela venda de parte dos direitos em 2012. O empresário Fernando Garcia, que tinha 20% do volante, ficou com parte dos direitos de alguns jogadores da base, entre eles Malcom, que no ano passado ganhou várias chances com Mano Menezes na equipe titular corintiana.

Apesar da dívida, Ralf tem o que comemorar pelo Corinthians. O volante completará nesta quarta-feira, no clássico contra o São Paulo pela Copa Libertadores, 300 jogos com a camisa do Timão. Jogador mostrou estar ansioso para enfrentar o Tricolor.


- Estou muito feliz pela marca de 300 jogos. Não é para qualquer um. Uma camisa que exige muito respeito, nação que exige muito. Estou neste hall de muitos ídolos. Mas ansiedade existe em todos os jogos, mas este contra o São Paulo tem um gosto especial por ser estreia de Libertadores, um clássico - argumentou.

No torneio sul-americano, Ralf jogou 34 jogos, todos que o Corinthians fez, de 2010 à 2013, e ficou de fora apenas em dois minutos da partida contra o Boca Júniors, nas oitavas de final em 2013. Conhecido pela forte marcação e poucas saídas ao ataque, o meio-campista coleciona um gol na competição, em 2012, na estreia contra o Deportivo Táchira (VEN). Oportunidade, que contra o São Paulo, volante não cogita.

- Eu nem lembrava mais desse gol na Libertadores. Mas primeiramente não queremos tomar o gol, vou pensar nisso, não existe favoritismo no clássico. Mas estamos nos preparando bem para chegar amanhã e fazer um grande jogo - finalizou.