icons.title signature.placeholder Fellipe Lucena
18/02/2015
08:19

Rafael Marques está fora da briga por posição com Cristaldo, Leandro Pereira e Gabriel Jesus. Mas isso não quer dizer que ele esteja em baixa com Oswaldo de Oliveira. Pelo contrário: o técnico sabe que o camisa 19 prefere jogar fora da área e a disputa não é com os centroavantes, mas com os armadores, principalmente Allione, que tem atuado aberto na direita.

- Minha preferência seria jogar nessa linha de três, na esquerda, no meio ou na direita. Apesar de também conseguir atuar como centroavante, não gosto, não é minha característica. Mas posso jogar assim também - explicou o jogador de 31 anos, emprestado até 31 de dezembro pelo chinês Henan Jianye.

- Gosto de ajudar a equipe. Se estou parado e a bola não vem, fico louco para correr atrás dela. No decorrer dos anos, fui vendo que (centroavante) era uma posição em que não me sentia bem - acrescentou.

Fora de forma na primeira rodada, Rafael Marques ficou entre os reservas nas outras quatro partidas do Palmeiras pelo Paulistão e foi a campo em todas, sempre entrando aberto pela direita. Já Allione vem sendo titular desde o começo do Estadual, mas não há um jogo em que não tenha sido substituído. Com uma semana inteira para treinar, Oswaldo pode inserir seu homem de confiança entre os 11 preferidos já no domingo, contra o Penapolense, fora de casa.

- O Rafa é um jogador que pode atuar em qualquer das quatro funções de ataque. Na linha de três, em qualquer uma das três posições, e dentro da área. À medida que for se entrosando, vai render muito mais em qualquer das quatro funções - disse o comandante.

Mesmo que não perca a vaga para Rafael, Allione corre risco. Oswaldo de Oliveira já adiantou que pretende escalar Arouca como titular e que Gabriel não será sacado. O argentino corre risco, assim como Robinho e Alan Patrick.

   


Rafael Marques era centroavante em sua primeira passagem pelo Palmeiras, em 2004. Na época, ele entrou em campo 13 vezes e marcou um gol. Nesta nova etapa, em função diferente, ele fez quatro jogos e também um gol.

- Naquela época eu cheguei como centroavante, apesar de não gostar de ficar parado. Prefiro jogar como meia-atacante e atuo assim já faz muitos anos, atuei em 2013 com o Oswaldo. Ele viu isso lá no Japão. Não trabalhamos juntos lá, mas joguei contra (pelo Omiya Ardija) e ele tentou me contratar (para o Kashima Antlers). Felizmente deu certo no Botafogo. O começo, em 2012, não foi nada fácil. Era um momento da saída de um ídolo da torcida, o Loco Abreu, e vincularam à minha chegada, falaram que era para substituir, e não era. Fui mostrando valor, como eu gostava de jogar, a torcida foi vendo. Saí com uma imagem totalmente diferente.

Oswaldo e Rafael

No Japão - Oswaldo de Oliveira, então técnico do Kashima Antlers, tentou tirar Rafael do Omiya Ardija. Não conseguiu, mas a admiração vem dessa época.

No Botafogo - No meio de 2012, o Botafogo contratou o jogador a pedido do técnico. Torcida e imprensa o trataram como substituto de Loco Abreu como "9", mas Oswaldo insistiu: ele rende melhor pelo lado.

O jejum - Rafael chegou ao Botafogo em julho de 2012 e só foi balançar as redes em março de 2013. Foram 21 jogos de jejum, com críticas da torcida e apoio de Oswaldo. A série terminou contra o Quissamã, com passe de Gabriel, hoje no Verdão.