icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
14/11/2013
00:45

Poucos minutos após o Cruzeiro conquistar o título brasileiro de 2013, o diretor de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos, foi a público para festejar a conquista. O mandatário fez questão de fazer um pedido para a torcida celeste.

- Quero ver Belo Horizonte sitiada, com buzina, foguete, música. Quero ver a cidade sem dormir. Muita festa e sem violência claro - disse o dirigente.

E as palavras de Mattos ficaram misturadas na emoção do diretor, que chegou para ajudar Gilvan de Pinho Tavares a colocar a Raposa nos trilhos novamente. No América-MG, Mattos se destacou, mas foi brilhar mesmo no time de coração. Ele era um dos que mais queriam o título para, como disse no domingo, devolver a dignidade da torcida.

Responsável direto na luta celeste extra-campo, para trazer nomes do quilate de Dagoberto, Éverton Ribeiro, Julio Baptista e Dedé, Alexandre Mattos viu de perto a batalha de Gilvan de Pinho Tavares e, inadivertidamente, tomou dores do cartola, muito pressionado no primeiro ano de seu mandato, em 2012.

- Passamos por muita coisa e, acima de tudo, o torcedor passou. Sei o tamanho da equipe e tudo que faltava para o torcedor. Trabalhamos para a dignidade do torcedor voltar. Mas vou corrigir o presidente, ele foi o responsável, foi ovacionado mesmo. Ele enfrentou críticas mas arrumou a casa - disse Mattos, que quer ver a torcida celebrando junto com os jogadores:

- Torcida tem que receber esses heróis, jogadores que tanto trabalharam. Mérito de todo mundo.