icons.title signature.placeholder Felipe Domingues
18/11/2014
08:33

O canadense Jacques Villeneuve é um dos pilotos com o nome gravado no rol de lendas do automobilismo mundial. Campeão da Cart (antiga IndyCar) com apenas 24 anos, em 1995, e da Fórmula 1, dois anos depois, ele planeja seu retorno às pistas: aos 43 anos.

– Quero correr toda a temporada da IndyCar. Claro, se houver somente uma corrida disponível, prefiro correr as 500 Milhas de Indianápolis novamente. Não há dúvidas disso – afirmou ao LANCE!Net, durante o GP do Brasil de Fórmula 1.

Neste ano, o canadense retornou ao cockpit de um carro da Indy, justamente na prova mais tradicional do automobilismo americano: as 500 Milhas de Indianápolis. Sem fazer feio, terminou a corrida na 14colocação (de 33 carros), apenas oito segundos atrás do vencedor, o piloto americano Ryan Hunter-Reay.

– Foi uma experiência incrível. Eu sentia muita falta de pilotar nessa velocidade e em um carro aberto. Me senti vivo de novo. Quando eu sentei no carro, pilotando daquele jeito, correndo assim... Definitivamente eu me senti vivo novamente – comentou o ex-piloto canadense.

Hoje, Villeneuve atua como comentarista de Fórmula 1 em uma emissora de televisão européia. Perguntado se existia alguma possibilidade de o público ver o campeão de 1995 de volta para a disputa de uma temporada completa da IndyCar, o canadense deixou em aberto, sorrindo, como quem escondesse algo.

– Sempre há uma chance. Mas nesse momento eu não posso te dizer qual o tamanho dela (risos) – disse.

Villeneuve faz parte de uma classe lendária de pilotos que, lentamente, deixa os holofotes e afasta-se das pistas. Porém, algumas vezes, o público tem o privilégio de ver figuras históricas de volta. Se esse será o caso do canadense, resta aguardar.


Villeneuve participou da última edição das 500 Milhas de Indianápolis, pela Schmidt Peterson (Foto: Divulgação/IndyCar)

PORTAS ABERTAS: Equipe diz que aceitaria volta de Villeneuve

Na temporada 2014, Jacques Villeneuve participou das 500 Milhas de Indianápolis com a equipe Schmidt-Peterson que, para o próximo ano, perdeu seu piloto titular, o francês Simon Pagenaud. Questionado pelo L!Net sobre a possibilidade de contar com o canadense na prova, o dono da equipe, Sam Schmidt foi categórico.

– Ele fez um ótimo trabalho neste ano, nas 500 Milhas, e nós certamente o aceitaríamos de volta em 2015 – disse, enquanto sua assessora confirmou que existem conversas em andamento, mas nada finalizado.

Quanto a correr a temporada completa, Schmidt disse que não existe um contato aberto até o momento.

– Nós não conversamos disso ainda.