icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
23/07/2014
12:05

Acostumada a ser um celeiro de jovens talentosos, a base do Cruzeiro tem dois bons motivos para se orgulhar neste início de segundo semestre. O zagueiro Ronaldo e o volante Lucas Ventura foram convocados pelo técnico da Seleção Brasileira Sub-17, Caio Zanardi, para a disputa da Copa México de Nações, que será disputada de 2 a 8 de agosto na Cidade do México. Além dos celestes, Minas Gerais cedeu mais dois atletas para a equipe: Marco Túlio e Ralph, meias do Atlético Mineiro.

Menos de um ano na Raposa, Lucas Ventura foi convocado pela primeira vez e não escondeu a alegria de representar seu país. Para ele, fazer parte das Seleções de Base exatamente neste momento de renovação é um privilégio.

- Assim que recebi a notícia senti uma emoção inexplicável! É minha primeira convocação, então fiquei surpreso e muito feliz. Agradeço muito a Deus pela oportunidade e me apresento com a confiança de que posso fazer um grande trabalho na Seleção. Conversei com o Ronaldo, que é meu amigo no Cruzeiro e também foi convocado, sobre o prazer de vestir essa camisa. Vamos chegar lá com muito foco e humildade para fazer uma grande campanha na competição – falou Lucas, que ainda citou a importância de investir nas categorias de base, assim como fez a Alemanha, atual campeã mundial.

- Acho que, depois de tudo que aconteceu na Copa do Mundo e o que tem se comentado na imprensa, a categoria de base será bem mais observada. Investir na formação dos jovens atletas, assim como a Alemanha tem feito, fortalece não só a Seleção, mas todo o futebol brasileiro e seus campeonatos. Ser um dos escolhidos para representar o país, em um momento tão importante como este para o nosso futebol, é um orgulho imenso para mim – completou o garoto.

Na última semana, Lucas Ventura ainda assinou seu primeiro contrato profissional com o Cruzeiro. O vínculo firmado foi de três temporadas e o volante se mostrou bastante satisfeito com o acordo.

-  É a realização de outro sonho. Todos que estão aqui trabalham diariamente buscando o melhor para suas carreiras. Não é fácil se tornar um jogador profissional, mas, graças a Deus, eu tenho quem me auxilie da melhor forma possível quando eu preciso – disse.

Em tempos de proposição de mudanças na formação de atletas, o empresário da joia, Renê Salviano, explica que uma série de fatores contribuem para o sucesso de um jogador. O ideal, então, é trabalhar para a formação de um cidadão, preparado para a sociedade. Caso alcance o profissional, que ele tenha todos os meios para se sobressair no futebol.

- A ideia é formar um cidadão mesmo, pois nunca sabemos se o atleta vai chegar ao profissional. Só que quando é trabalhado para que ele seja o melhor dentro de campo, que estude, seja determinado e se apoie sempre na família, ele acaba atingindo outros objetivos sem perceber. Um deles é a convocação para a Seleção Brasileira - disse Renê Salviano.