icons.title signature.placeholder Daniel Hippertt
23/03/2014
08:13

O Grêmio enfrenta o Juventude neste domingo em jogo único das quartas de final do Gauchão. E, além do caráter decisivo, há ainda outro fator para apimentar o duelo. O jogo das 16h na Arena marca um reencontro. O ex-zagueiro Roger, ídolo tricolor, chega à casa gremista como treinador da equipe adversária. É a primeira vez que ele enfrentará o Imortal nesse posto.

 – Tive a experiência, como jogador, de enfrentar o Grêmio, pelo Fluminense. Não sei se será igual ou diferente.Preciso deixar minha cabeça voltada para a organização do meu time – revelou o comandante alviverde ao LANCE!

A preocupação ronda a torcida gremista. Afinal, até o final de 2013, Roger era auxiliar técnico de Renato Gaúcho no Tricolor. É verdade que Enderson Moreira praticou algumas mudanças depois que assumiu o cargo, mas a equipe base é a mesma. Pode-se dizer que o técnico do time de Caxias do Sul tem “informações privilegiadas“.

– É claro que conhecer os atletas do Grêmio ajudou a formar a minha estratégia para a partida, mas não penso que seja fator determinante para vencer o jogo. Tenho que saber é do comportamento dos meus jogadores – ressaltou Roger ao L!

Roger no momento da apresentação no Juventude. O clube de Caxias do Sul representa o início da caminhada do ex-zagueiro como treinador (Foto: Divulgação/Juventude)


Dúvida no grêmio

Enderson Moreira não definiu a equipe que enfrenta o Juventude, mas o esperado é que o Tricolor entre com força total para o duelo de hoje. A tendência é que se repita a escalação que empatou com o Newell’s (ARG), com Dudu no meio de campo no lugar do lesionado Zé Roberto.


Bate-Bola

ROGER - Treinador do Juventude, em entrevista exclusiva ao LANCE!Net

O Juventude corre por fora nestas quartas de final?

 Neste momento, o Grêmio é favorito por ter a melhor campanha e jogar na Arena. Mas o favoritismo tem que virar realidade quando a bola rolar. O Juventude não é zebra. Vem forte e preparado para a partida. Tivemos uma boa semana de preparação.

Então podemos esperar uma escalação ofensiva?

A palavra de ordem é equilíbrio. Saber o momento certo de tomar cada ação na partida. Qualquer erro pode ser fatal. Temos um adversário muito qualificado.

Que tipo de tratamento você espera receber da torcida?

Acho que eles vão manifestar o carinho que sempre tiveram por mim. Mas, quando a bola rolar, o que vai importar é o jogo.

Neste tipo de jogo, o que resolve? O dedo do técnico ou a vontade dentro de campo?

Os dois são importantes. Mas, sem dúvida alguma, o treinador contribui com uma parte, e os grandes protagonistas são aqueles que entram em campo.