icons.title signature.placeholder Dos Enviados Especiais
10/06/2014
07:10

Após 15 dias de preparação, Seleção Brasileira, enfim, embarca nesta terça à noite para São Paulo, local da tão esperada estreia na Copa do Mundo, na quinta. Amistosos e treinos coletivos dão base para Felipão iniciar o Mundial: L!Net detalha como está cada setor do time que vai lutar pelo hexa a partir da abertura, na Arena Corinthians, contra a Croácia: vai começar a Copa do Mundo!

Visão da defesa: por Maurício Oliveira
'A melhor defesa da Copa e a desconfiança sobre Julio'

No primeiro dia de preparação para a Copa do Mundo, na Granja Comary, Carlos Alberto Parreira foi questionado por que acredita tanto no hexa. “Temos a melhor defesa do mundo!”, foi a primeira frase da resposta do técnico campeão em 1994, nos Estados Unidos, e atual coordenador técnico da Seleção Brasileira.

De fato, a dupla de zaga Thiago Silva-David Luiz, que jogará junta também no Paris Saint-Germain, tem talento e entrosamento suficientes para não ficar atrás de nenhuma outra.

Os laterais, Daniel Alves e Marcelo, dos gigantes Barcelona e Real Madrid, respectivamente, mantêm o nível altíssimo da defesa, embora exijam cobertura por serem muito ofensivos.

A desconfiança recai sobre Julio Cesar, que mesmo eleito o melhor goleiro da Copa das Confederações de 2013, não virou unanimidade – nem vai virar.

Entre os reservas, Maicon pode assumir a vaga a qualquer momento, enquanto Maxwell, Dante e Henrique não têm o nível dos titulares, mas não devem fazer feio se forem lançados.

E os goleiros reservas nem devem jogar.

Visão da defesa - Por Eduardo Mendes
'Formação do meio já não é mais imune a críticas'

A peculiar meio de campo da Seleção Brasileira tem volantes que jogam e um único meia distinto de um exímio camisa 10, que atua centralizado. A formação composta por Luiz Gustavo, Paulinho e Oscar, intocável desde a Copa das Confederações, agora, não é mais imune a críticas.

Dos três, Luiz Gustavo, por ora, passou ileso dos questionamentos, que crescem em relação a Oscar e miraram Paulinho após o amistoso diante da Sérvia. Dúvidas, até então, pertinentes e que não remetem apenas à temporada irregular dos jogadores que atuam no futebol inglês.

Imprescindível não só para o combate, mas também para a saída de bola, Paulinho ainda não atingiu a melhor forma. Ele depende muito do preparo para ocupar quase todos os espaços entre o meio e o ataque. Oscar também precisa estar 100% fisicamente. E mais do que isso: limar a má fase técnica.

E a melhora precisa ser imediata, afinal, os postulantes às vagas dos titulares estão bem cotados. Willian e Fernandinho deixam Ramires e Hernanes para trás como opções. Não será surpresa a dupla tornar-se titular ao longo da Copa.

Visão do ataque - Por Thiago Salata
'Fred com um craque de um lado, e um lutador de outro'

Fred fez 10 gols em 14 jogos desde que passou a ser a aposta de Felipão para a Copa do Mundo, em fevereiro do ano passado. A boa média de 0,7 gol por jogo é maior até do que a de Neymar (14 gols em 22 partidas – 0,63). Se está longe de ser um Ronaldo ou Romário, astros de Copas recentes, Fred não tem hoje concorrentes melhores no futebol brasileiro.

Ao menos nos 15 dias de preparação, o atacante afastou os fantasmas de lesões que sempre o perturbaram no Fluminense. O gol no amistoso contra a Sérvia foi fundamental para ele iniciar bem a Copa.

Fred foi letal na Copa das Confederações de 2013: dois gols contra Itália, um contra Uruguai e dois contra a Espanha. Em Copas, só foi reserva, uma vez, em 2006. O grande teste é agora, ao lado de atacantes que passaram muito bem pela preparação: Neymar, também caindo pelo meio, é o craque do time à esquerda de Fred. Hulk tem superado desconfiança com vontade imensa nos treinos, boa técnica e excelentes chutes.

Uma maior colaboração do meio-de-campo será fundamental para que o trio siga funcionando na Copa do Mundo. Jô e Bernard, os reservas, ainda não fazem sombra aos titulares.