icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
29/08/2015
07:00

A janela de transferências internacionais da Europa se fecha nesta segunda-feira. No início do ano, a diretoria do Corinthians já contava chegar a essa altura do ano sem um de seus zagueiros titulares. As fortes sondagens por Felipe e Gil, no entanto, não viraram propostas oficiais. O técnico Tite comemora não sofrer baixa até o fim do Campeonato Brasileiro no setor mais confiável e ajustado de sua equipe.

Depois de perder Guerrero, Emerson Sheik, Petros e Fábio Santos durante a competição nacional, o treinador foi enfático em relação à venda de um dos defensores. Em uma das reuniões, frisou que a equipe seria muito prejudicada. E ainda lembrou que, na verdade, esperava contratações, principalmente de um atacante, além de um meia, e não saída de mais titulares (veja abaixo).

Para Felipe, que o clube detém 50% dos direitos econômicos, o preço estabelecido foi 5 milhões de euros (R$ 20 milhões). Já Gil (90% dos direitos do clube) tem valor de mercado de 7 milhões de euros (R$ 28 milhões). A postura da diretoria foi não “se esforçar” para negociar os jogadores. No entanto, avisou que não colocaria dificuldade caso ofertas nestes valores fossem oficializadas. Os empresários trabalharam, levaram sondagens, mas não chegaram aos valores exigidos. A expectativa é que nada aconteça até segunda-feira.

Em janeiro, a venda de Gil ao Wolfsburg, da Alemanha, foi praticamente dada como certa. O então candidato Roberto de Andrade, que depois assumiu a presidência em fevereiro, autorizou a venda nos termos passados pelo empresário do jogador, Carlos Leite. Tudo estava apalavrado para ocorrer em agosto.

Apesar de Andrade afirmar que não há necessidade de vender jogador, as finanças seriam aliviadas com tais montantes em caixa. Por enquanto, Tite comemora seu setor completo!


Gil e Felipe, juntos, disputaram 31 jogos em 2015 (foto:Ale Cabral/LANCE!Press)

FELIPE NA MIRA...

Udinese
Clube mandou representante ao Brasil para conversar com o empresário de Felipe. Valores e condições não foram acertados.

Atalanta
Também foi atrás do corintiano. No entanto, fechou com o ex-são-paulino Rafael Tolói e Gabriel Paletta, que estava no Milan.

GIL NA MIRA...

Wolfsburg
Alemães tinham pré-acordo desde janeiro, valores certos, mas não oficializaram. Leite tem boa relação com o clube.

Besiktas
Turcos também foram atrás dos representantes do zagueiro, mas se assustaram com os valores. Proposta não vingou.

OPINIÃO: 'Imagine se um é vendido e o outro machuca'
Por Bruno Cassucci, repórter

A permanência da dupla titular de zaga do Corinthians é fundamental para manter o sonho do título brasileiro vivo. Não só pelo bom momento vivido por Felipe e Gil, mas também porque as opções do elenco para o setor são excassas. Tite conta apenas com Edu Dracena e o jovem Yago na reserva.

Imagine se um dos titulares é vendido e um dos suplentes se machuca, algo normal e até previsível em meio à maratona de jogos.

Em 2015, Felipe surpreendeu a todos e, mesmo com a concorrência do experiente e multicampeão Dracena, conseguiu se firmar. Gil manteve a regularidade de sempre.

No entanto, é importante fazer uma ressalva: embora seja o melhor do Brasileirão, o sistema defensivo (não só os zagueiros) do Corinthians não funcionou nos momentos mais decisivos da temporada. Em cinco jogos de mata-mata (um contra o Palmeiras, no Paulista, dois contra o Guaraní-PAR, na Libertadores, e mais dois contra o Santos, na Copa do Brasil), o Timão sofreu nove gols.

A janela de transferências internacionais da Europa se fecha nesta segunda-feira. No início do ano, a diretoria do Corinthians já contava chegar a essa altura do ano sem um de seus zagueiros titulares. As fortes sondagens por Felipe e Gil, no entanto, não viraram propostas oficiais. O técnico Tite comemora não sofrer baixa até o fim do Campeonato Brasileiro no setor mais confiável e ajustado de sua equipe.

Depois de perder Guerrero, Emerson Sheik, Petros e Fábio Santos durante a competição nacional, o treinador foi enfático em relação à venda de um dos defensores. Em uma das reuniões, frisou que a equipe seria muito prejudicada. E ainda lembrou que, na verdade, esperava contratações, principalmente de um atacante, além de um meia, e não saída de mais titulares (veja abaixo).

Para Felipe, que o clube detém 50% dos direitos econômicos, o preço estabelecido foi 5 milhões de euros (R$ 20 milhões). Já Gil (90% dos direitos do clube) tem valor de mercado de 7 milhões de euros (R$ 28 milhões). A postura da diretoria foi não “se esforçar” para negociar os jogadores. No entanto, avisou que não colocaria dificuldade caso ofertas nestes valores fossem oficializadas. Os empresários trabalharam, levaram sondagens, mas não chegaram aos valores exigidos. A expectativa é que nada aconteça até segunda-feira.

Em janeiro, a venda de Gil ao Wolfsburg, da Alemanha, foi praticamente dada como certa. O então candidato Roberto de Andrade, que depois assumiu a presidência em fevereiro, autorizou a venda nos termos passados pelo empresário do jogador, Carlos Leite. Tudo estava apalavrado para ocorrer em agosto.

Apesar de Andrade afirmar que não há necessidade de vender jogador, as finanças seriam aliviadas com tais montantes em caixa. Por enquanto, Tite comemora seu setor completo!


Gil e Felipe, juntos, disputaram 31 jogos em 2015 (foto:Ale Cabral/LANCE!Press)

FELIPE NA MIRA...

Udinese
Clube mandou representante ao Brasil para conversar com o empresário de Felipe. Valores e condições não foram acertados.

Atalanta
Também foi atrás do corintiano. No entanto, fechou com o ex-são-paulino Rafael Tolói e Gabriel Paletta, que estava no Milan.

GIL NA MIRA...

Wolfsburg
Alemães tinham pré-acordo desde janeiro, valores certos, mas não oficializaram. Leite tem boa relação com o clube.

Besiktas
Turcos também foram atrás dos representantes do zagueiro, mas se assustaram com os valores. Proposta não vingou.

OPINIÃO: 'Imagine se um é vendido e o outro machuca'
Por Bruno Cassucci, repórter

A permanência da dupla titular de zaga do Corinthians é fundamental para manter o sonho do título brasileiro vivo. Não só pelo bom momento vivido por Felipe e Gil, mas também porque as opções do elenco para o setor são excassas. Tite conta apenas com Edu Dracena e o jovem Yago na reserva.

Imagine se um dos titulares é vendido e um dos suplentes se machuca, algo normal e até previsível em meio à maratona de jogos.

Em 2015, Felipe surpreendeu a todos e, mesmo com a concorrência do experiente e multicampeão Dracena, conseguiu se firmar. Gil manteve a regularidade de sempre.

No entanto, é importante fazer uma ressalva: embora seja o melhor do Brasileirão, o sistema defensivo (não só os zagueiros) do Corinthians não funcionou nos momentos mais decisivos da temporada. Em cinco jogos de mata-mata (um contra o Palmeiras, no Paulista, dois contra o Guaraní-PAR, na Libertadores, e mais dois contra o Santos, na Copa do Brasil), o Timão sofreu nove gols.